Merkel inicia negociações para escolher candidato à presidência alemã

Diálogo é iniciado um dia depois de presidente Christian Wulff renunciar em meio a denúncias de favorecimento político

EFE |

Reuters
Chanceler alemã, Angela Merkel (23/11/2011)
A chanceler alemã, Angela Merkel, iniciou neste sábado as negociações com seus parceiros de coalizão e membros da oposição para pactuar o mais rápido possível um candidato à presidência do país, após a renúncia na sexta-feira de Christian Wulff , envolvido em um escândalo de corrupção.

Leia também: Presidente da Alemanha renuncia em meio a escândalo

Denúncia reprimida: Presidente alemão admite 'erro grave' em tentar censurar jornal

Das conversas surgiram especulações em torno de meia dúzia de nomes, mas nenhuma das partes envolvidas disse em público seus favoritos. Merkel, dirigente da União Democrata-Cristã (CDU), reuniu-se de manhã na chancelaria com os presidentes da União Social-Cristã (CSU) e do Partido Liberal (FPD), Horst Seehofer e Philipp Rösler, respectivamente, para avançar no processo de seleção.

Além disso, na parte da tarde, a chanceler manteve contato com dirigentes do Partido Social-Democrata Alemão (SPD) e do Partido Verde, as duas maiores formações da oposição, com as quais prevê reunir-se no domingo para designar um candidato de consenso.

Depois que Merkel se comprometeu na sexta-feira a propor um "candidato comum", o presidente do grupo parlamentar da CDU, Volker Kauder, ressaltou que a chanceler procura uma "rápida solução" para crise, apesar de dispor de um prazo legal de um mês.

Em coletiva conjunta, o SPD e o Partido Verde lembraram que Wulff foi escolha pessoal e partidária de Merkel e, portanto, seu erro, exigindo que o próximo candidato não seja membro do atual governo e destaque-se por sua independência política e integridade moral.

Entre os nomes aparece com força - segundo analistas, imprensa e pesquisas - o teólogo e dissidente da extinta República Democrática Alemã (RDA) Joachim Gauck, responsável durante uma década pelo desmantelamento da Stasi, a polícia política da Alemanha Oriental.

No entanto, suas possibilidades se reduzem por causa das reservas de setores do FPD e por sua candidatura à presidência há um ano e meio, auspiciada pelo SPD e pelos verdes, e posteriormente descartada pela chanceler.

Outros nomes considerados para o cargo são o do ex-ministro conservador do Meio Ambiente Klaus Töpfer, que conta com a simpatia dos ecologistas; o do presidente do Bundestag (Parlamento federal), o democrata-cristão Norbert Lammert; e o do bispo Wolfgang Huber, ex-presidente da igreja evangélica alemã.

Os especialistas ressaltaram que qualquer acordo bilateral da CDU/CSU com o SPD, os Verdes e o FDP sem o respaldo do resto poderia ser entendido como um sinal para as eleições gerais de 2013 e as subsequentes coalizões.

Procedimento judicial

Enquanto isso, a procuradoria de Hannover iniciou neste sábado oficialmente o procedimento judicial contra Wulff, já que, "com o fim de sua imunidade", tem caminho livre para atuar, como explicou o porta-voz Hans-Jürgen Lendeckel. O pedido feito na quinta-feira pela procuradoria ao Bundestag para que suspendesse a imunidade de Wulff precipitou sua renúncia.

A instituição fiscal investiga se Wulff cometeu algum delito nas férias que passou com a mulher na exclusiva ilha de Sylt, pagas em 2007 pelo empresário David Groenewold, apesar de o político garantir que depois pagou sua parte.

AP
O presidente da Alemanha, Christian Wulff, anuncia sua renúncia em Berlim, na Alemanha (17/02)
As férias ocorreram um ano depois que o governo da Baixa Saxônia, presidido então por Wulff, aprovou a concessão de um aval de 4 milhões de euros a uma empresa de Groenewold, embora este nunca tenha sido efetivado.

A crescente polêmica por supostos casos de favorecimento envolvendo Wulff começou em dezembro, quando o jornal Bild publicou que, em seus tempos de primeiro-ministro, ele havia aceitado um crédito privado de 500 mil euros de amigos empresários para adquirir um imóvel.

Em seguida, vários meios de comunicação divulgaram um rosário de novas supostas irregularidades de Wulff, como atos de campanha sufragados por empresários e presentes à família do ex-presidente na forma de férias e veículos.

    Leia tudo sobre: alemanhawulffmerkel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG