Mergulhadores fazem buscas em navio afundado após tufão nas Filipinas

Miguel F. Rovira Manila, 25 jun (EFE).

EFE |

- Cerca de 100 mergulhadores da Marinha dos Estados Unidos e das Filipinas desceram hoje até a embarcação Princess of the Stars, que naufragou no último sábado perto da ilha de Sibuyan, para recuperar os corpos que ficaram presos no interior da mesma e onde podem estar 740 desaparecidos.

O Princess of the Stars é um dos pelo menos oito barcos de pesca e cargueiros que afundaram por causa do temporal causado pela passagem do tufão "Fengshen" pelas regiões central e sul do arquipélago das Filipinas.

Os trabalhos para levar os corpos à superfície, que começaram pelo compartimento da primeira classe, são lentos e prejudicados pela maré, que movimenta quase constantemente a popa da embarcação para baixo, deixando apenas a proa sobre a água.

A embarcação, que pesa cerca de 24 mil toneladas e tem sete andares, tem a popa apoiada sobre um recife de corais, por isto os analistas não descartam que este ceda e o barco afunde totalmente.

Grande parte das embarcações da frota local são antigas e as autoridades não aplicam normas básicas de segurança marítima.

"Os mergulhadores inspecionam a cabine de primeira classe, depois nadarão mais fundo para examinar os outros compartimentos do barco", disse o porta-voz da Guarda Costeira, Armando Padillo, em entrevista coletiva.

Para entrar no Princess of the Stars - que afundou a cerca de três quilômetros da ilha de Sibuyan, na região central do arquipélago - os mergulhadores perfuraram escotilhas e quebraram janelas.

Fontes da Marinha filipina afirmaram que entre os 20 corpos retirados do barco durante o dia um deles tinha aspecto ocidental, mas afirmaram que isto só poderia ser confirmado com um exame legista.

A embarcação levava o total de 862 pessoas - sendo 111 tripulantes - quando afundou um dia após partir do porto de Manila com destino à ilha de Cebu.

Desde então, ao todo 48 pessoas foram encontradas com vida em várias ilhas da região, e o número de mortos se aproxima de 70, segundo fontes da Guarda Costeira.

Cerca de 30 mergulhadores do navio Stockham, da Marinha americana, se incorporaram às operações de resgate. Nas próximas horas, receberam reforço do grupo naval liderado pelo porta-aviões Ronald Reagan, com a missão de participar das tarefas de assistência para os desabrigados.

Por ordem da presidente Gloria Macapagal Arroyo, uma comissão abriu investigação sobre a empresa de transporte marítimo Sulpicio Lines, para esclarecer sua responsabilidade no desastre.

A Sulpicio Lines, que mantém a versão de que sua embarcação partiu após receber a autorização correspondente, era proprietária do barco Doña Paz, que afundou com 4.400 pessoas à bordo após colidir com um petroleiro em 1987, no maior desastre da história da navegação comercial.

Em terra firme, pelo menos 288 pessoas morreram e 275 foram dadas como desaparecidas por causa das enchentes e deslizamentos de terras provocados pelo tufão em sua passagem por regiões do centro e do sul do arquipélago, segundo dados da Cruz Vermelha local.

O tufão, que na última quarta chegou ao sul da China, deixou cerca de 300 mil desabrigados e causou prejuízos no valor de um bilhão de pesos (cerca de US$ 22,7 milhões), de acordo com as informações fornecidas pelo Comitê Nacional para a Coordenação de Desastres. EFE mfr/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG