Polícia da França busca suposto segundo cúmplice de atirador

Além de irmão, outro homem teria ajudado Mohamed Merah em ataques; enterro de corpo de franco-argelino é adiado por 24 horas

iG São Paulo |

A polícia da França procura um homem suspeito de ter ajudado o franco-argelino Mohamed Merah a preparar três ataques que deixaram sete vítimas no país. O corpo de Merah, que assumiu os atentados contra uma escola judaica e militares , estava previsto para ser enterrado nesta quinta-feira em um cemitério muçulmano perto da cidade francesa de Toulouse, onde foi morto na semana passada por um tiro na cabeça . Mas o prefeito de Toulouse, Pierre Cohen, anunciou que o funeral será adiado por 24 horas por ser "impróprio".

O pai de Merah queria que o corpo fosse enterrado no vilarejo de Bezzazz, na Argélia. Porém, de acordo com líderes religiosos, autoridades do país recusaram o pedido por “questões de ordem pública”.

Saiba mais: Veja cronologia dos ataques e do cerco a suspeito na França

Policiais que não quiseram ser identificados disseram que os investigadores procuram um novo cúmplice de Merah, depois de o irmão do franco-argelino, Abdelkader Merah, ter sido acusado de envolvimento nos ataques.

Abdelkader Merah, que está preso e alega não ter conhecimento dos planos do irmão, disse que um outro homem, que não identificou, ajudou seu irmão a roubar uma moto usada nos ataques.

A polícia também encontrou um carro abandonado em um estacionamento de Saint-Papoul, no sul da França, que pertence a um homem cujo endereço seria o mesmo de Mohamed Merah em Toulouse. Segundo a imprensa francesa, dentro do veículo a polícia teria encontrado um capacete e parte de carroceria de uma moto como a usada por Merah. Não está claro se o dono do carro e o suposto homem que roubou a moto são a mesma pessoa.

O caso levou o governo francês a querer endurecer as medidas contra extremistas . Na terça-feira, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciou a intenção de acelerar expulsões de extremistas presentes no país e garantiu que todas as pessoas autoras de "declarações infames" contra a França não serão autorizadas a entrar no território nacional.

Nesta quinta-feira, os ministérios do Interior e das Relações Exteriores anunciaram a proibição da entrada no território francês de quatro clérigos muçulmanos estrangeiros convidados a participar do congresso da União de Organizações Islâmicas da França (UOIF, ligada à Irmandade Muçulmana), que acontecerá em Le Bourget (norte de Paris) de 6 a 9 de abril de 2012, afirma um comunicado.

Os quatro homens vetados se unem aos religiosos Yussef Al-Qaradaoui e Mahmoud Al-Masri, que também tinham sido convidados ao congresso, mas que não eram "bem-vindos" na França, segundo o governo. Os dois oficialmente "desistiram" da viagem.

Com EFE, AP e AFP

    Leia tudo sobre: françaescola judaicatoulousemohamed merah

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG