Menphis ainda chora por Luther King 40 anos após sua morte

Uma marcha e uma vigília envolvendo centenas de pessoas relembram nesta sexta-feira, em Memphis (Tennessee, sul), o 40o aniversário da morte de Martin Luther King, mártir da luta pelos direitos civis dos negros.

AFP |

O candidato republicano, Joahn McCain, e a pré-candidata democrata Hillary Clinton chegaram às celebrações para prestar homenagens ao herói da igualdade racial, assassinado aos 39 anos em 4 de abril de 1968.

Barack Obama, o primeiro pré-candidato negro que possui possibilidades reais de chegar à Casa Branca, também lembrou Luther King em um discurso que pronunciou em Indiana (norte).

Após um minuto de silêncio, o senador por Illinois destacou que ainda hoje é válido o discurso de Luther King em Memphis, em apoio a uma greve de lixeiros.

"O Dr. King compreendeu que a luta pela justiça econômica e a igualdade racial é a mesma, que cada uma faz parte de um combate maior pela liberdade, dignidade e humanidade", declarou Obama durante um ato de campanha em Indiana.

Foi justamente nesse local que algumas horas após a morte de Luther King, Robert Kennedy, então candidato presidencial e que mais tarde também foi assassinado, realizou um emotivo discurso em apoio a não violência.

Obama relembrou, em seu discurso, que enquanto diversos distúrbios foram registrados em cerca de 50 dias após a divulgação da notícia, graças à intervenção de Kennedy em Indianapolis, essa foi uma das poucas cidades que permaneceu em calma.

Debaixo de chuva em Memphis, uma marcha com centenas de pessoas partiu da prefeitura até o Lorraine Motel, onde Luther King foi assassinado.

Militantes de direitos civis, como o reverendo Al Sharpton e Jesse Jackson, que estava com King quando ele foi assassinado, também estarão em Memphis.

Jackson recordou as desigualdades que afetam os negros atualmente nos Estados Unidos, em declarações a rede CNN.

"Na comunidade negra temos mais desemprego e 2,5 milhões de pessoas na prisão. Temos o dever moral de investir para reparar essa desigualdade estrutural", afirmou.

A parte da frente do Lorraine Motel ficou lotada de flores e de pessoas, agora que o edifício se tornou um museu dos direitos civis.

O candidato republicano John McCain declarou em um comunicado que "recordamos a vida de Dr. Martin Luther King, um grande americano que não elevou muito alto".

"Lembramos um dia trágico de nossa história nacional honrando a obra de um homem que foi a voz dos maiores ideais da nação", acrescentou.

Por sua parte, Hillary Clinton, irá anunciar em Memphis sua intenção de nomear um funcionário para a luta contra a pobreza com status de secretário, caso seja eleita.

Esse anúncio responde aos pedidos do filho de Luther King, que pediu que os candidatos criassem esse posto nos primeiros 100 dias da nova administração.

Uma vigília com velas irá ser feita no final do dia.

Memphis, Atlanta e outras cidades terão ainda conferências e cerimônias comemorativas.

cor-vmt/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG