Menos de 10% dos acidentes fatais ocorrem em velocidade de cruzeiro

Apenas 9% dos acidentes aeronáuticos com vítimas fatais costumam ocorrer quando os aviões se encontram em velocidade de cruzeiro, de acordo com estatísticas da Boeing, uma das principais empresas do setor aeroespacial. Um levantamento da empresa referente a casos ocorridos entre 1998 e 2007 indica que a grande maioria dos acidentes na aviação civil aconteceu ou nos períodos de decolagem ou quando a descida já havia sido iniciada.

BBC Brasil |

O relatório da Boeing, divulgado em 2008, aponta que, entre 1998 e 2007, foram registrados 93 acidentes com vítimas fatais - com um total de 994 mortes - enquanto o avião voava em velocidade de cruzeiro.

O modelo do avião Airbus A330-200, como a aeronave da Air France que desapareceu nesta segunda-feira no trajeto entre o Rio de Janeiro e Paris, é utilizado em voos de longa distância há 11 anos e não registrou até hoje nenhum acidente fatal em voos comerciais.

O Airbus sofreu apenas dois acidentes por falha nas turbinas. Em 2001, um voo da Transat que fazia o percurso do Canadá a Portugal perdeu a energia depois do vazamento de combustível ao sobrevoar o Oceano Atlântico. Nenhum dos passageiros a bordo ficou ferido.

Em 2003, a turbina de um avião da Edelweiss Air explodiu ao decolar no aeroporto de Miami. Na ocasião, também não houve feridos.

O Airbus A330-200 mede 58,8 metros de comprimento, tem capacidade média e comporta 253 passageiros em três classes. Equipado com duas turbinas, o avião pode alcançar uma altitude de cruzeiro de 12,5 mil quilômetros e atingir a velocidade máxima de 913 km/hora.

Atualmente, 341 aeronaves deste modelo estão em uso por diversas companhias aéreas. Além da Air France, a KLM, a TAM, a Turkish Airlines - entre outras empresas comerciais - também possuem o A330-200 em suas frotas.

Experiência
Segundo um comunicado da Air France, os pilotos responsáveis pelo voo 447, que desapareceu nesta segunda-feira, eram bastante experientes.

O comandante já tinha 11 mil horas de voo - 1,7 mil apenas nos modelos A330 e A340. Um dos dois co-pilotos possui 3 mil horas de voo, sendo 800 no modelo, e o outro, 6,6 mil horas de voo, sendo 2,6 mil no Airbus A330 e no 340.

A Airbus afirmou que a aeronave já havia realizado, desde que começou a operar, em 2005, 2,5 mil voos, totalizando 18,8 mil horas de voo.

De acordo com a Air France, a última visita de manutenção da aeronave foi realizada em 16 de abril de 2009.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG