Iniciar um tratamento hormonal da menopausa (THM) o mais cedo possível após o fim da menstruação, em vez de esperar vários anos, não limita o risco de câncer de mama, segundo estudo realizado pelo instituto de pesquisa francês Inserm.

Esta análise, publicada esta semana no American Journal of Clinical Oncology, foi baseada em dados de um estudo epidemiológico francês, recolhidos entre 1992 e 2005 junto a 50.000 mulheres da Mutual da educação nacional, destacou o Inserm nesta quarta-feira em um comunicado.

Um teste americano de 2002, incluindo majoritariamente mulheres na menopausa há vários anos, evidenciou um aumento do risco de câncer de mama e de doença cardiovascular em caso de uso de THM.

"No entanto, é possível que a balança benefício-risco do THM seja mais favorável para os tratamentos iniciados sem demora após a chegada da menopausa, assim como são prescritos hoje às mulheres francesas", disseram pesquisadores do Inserm.

Mas o estudo, realizado por uma equipe conduzida por Françoise Clavel-Chapelonm, mostrou que o fato de adotar o THM estroprogestativo nos três anos seguintes à chegada da menopausa "não limita o risco de câncer de mama".

Alguns THM, se usados durante menos de dois anos, podem não representar riscos maiores de câncer de mama. Trata-se daqueles cujo componente progestativo consiste em progesterona (administrada por via oral), a molécula idêntica à produzida pelos ovários. Estes tratamentos são hoje os mais frequentemente usados na França.

Entretanto, estes resultados sobre a associação estrogênio-progesterona "devem agora ser confirmados por outros estudos", indicou o Inserm.

chc/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.