Um menino de quatro anos disparou contra um adolescente de 18 anos que tomava conta dele em Jackson, no Estado americano de Ohio, e que aparentemente havia pisado em seu pé. Ele estava na casa de sua sua avó com outras crianças e havia outros adolescentes no local.

Segundo testemunhas, o menino, identificado pela mídia local como Ethan Crisp,teria ficado zangado e foi para o quarto dizendo que iria buscar uma arma. "Todos acharam que ele ia para o quarto buscar um brinquedo", disse reportagem no jornal The Columbus Dispatch.

Mas, ao invés disso, o menino voltou com uma arma na mão e atirou em Nathan Beavers que, segundo o jornal, está recebendo tratamento no Centro Médico da Universidade Estadual de Ohio, na cidade de Columbus, por ferimentos no braço e parte lateral do torso.

Ethan pegou a munição de uma gaveta em um quarto e carregou a arma, de calibre 20, disse a polícia.

Segundo o Columbus Dispatch, o pai do menino ficou "chocado" ao ser informado do incidente. Ele manifestou surpresa de que o filho sabia como colocar munição e disparar uma arma, normalmente usada para caçadas.

Ele disse que o menino viu outras pessoas atirarem mas nunca o ensinaram a lidar com uma arma.

"Foi um acidente. Ele simplesmente achou que era uma outra arma de brinquedo (...) Ele não pensou no que ela poderia fazer", disse o pai do garoto, de acordo com o jornal.

"As armas saíram da nossa casa", acrescentou. "Elas não vão estar mais perto das crianças. Não vale a pena."
A polícia também ficou surpresa. "Ele não disse muito", afirmou o vice-delegado Jim Ephin, ao Columbus Dispatch. "Ele disse que estava bravo com Nathan. Ele disse: 'Eu vou buscar uma arma.'"
O menino está sob custódia dos pais "até que nós vejamos o que o promotor quer fazer", disse Ephlin, de acordo com o jornal. Os pais não querem que a criança seja processada.

"Investigadores vão examinar porque a munição e a arma não estavam sob tranca, disse o promotor Jonathan Blanton ao jornal local.

Em Ohio não há exigência legal para que se mantenha armas seguras longe de crianças.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.