Mendiga indiana abre conta com 91 kg de moedas

Uma mendiga de Calcutá, na Índia, depositou 91 quilos de moedas economizadas ao longo de 44 anos nas ruas da cidade, possibilitando a abertura de uma conta bancária e a candidatura a um cartão de crédito. Autoridades afirmam que Laxmi Das, de 60 anos, conseguiu juntar 30 mil rúpias (cerca de R$ 1,1 mil) em quatro baldes de moedas, algumas datadas até de 1961 e já sem validade.

BBC Brasil |

"Mas vamos aceitar estas moedas também, pois ela é pobre e precisa de todo nosso apoio", disse o porta-voz do Banco Central da Índia, Shantanu Neogy.

Neogy afirma que existe uma diretriz do Banco Central para aceitar todas as moedas já sem validade e reembolsar o depositante.

Possessiva
Laxmi Das começou a pedir esmolas perto de Hatibagan, um cruzamento movimentado do norte de Calcutá, quando ainda tinha 16 anos de idade.

"Ela gastava pouco do que coletava por dia e economizava as moedas. Ela era muito possessiva com elas", disse a irmã da mendiga, Asha.

Das guardava as moedas em baldes cobertos com tecido de juta em sua casa, numa favela perto do cruzamento.

Para os funcionários do banco, a mendiga afirmou que guardava as moedas para quando chegasse à "velhice" e precisasse de um plano de aposentadoria, quando ficasse idosa demais para pedir dinheiro nas ruas.

Das afirmou que a polícia a encorajou a fazer o depósito, pois eles temiam que as moedas pudessem ser roubadas.

"Não é seguro para ela manter as moedas na favela, agora que as pessoas sabem", disse o policial Baidyanath Saha. "Uma conta no banco será a melhor opção para suas economias."
Contando
Os funcionários do banco afirmaram que ainda estão contando as milhares de moedas e não sabem qual é a quantia exata, pois ainda há "muitas moedas para serem contadas".

Depois da abertura da conta, as autoridades do Banco Central da Índia vão aconselhar Das sobre o melhor uso para o dinheiro.

Laxmi Das parece ter ignorado - ou não sabia - que existe uma fraude comum nesta parte do mundo.

Velhas moedas indianas são contrabandeadas e derretidas em Bangladesh, para a fabricação de lâminas de barbear, que são vendidas por um valor sete vezes maior do que seu valor original, como moedas.

O esquema causou a falta de moedas no leste da Índia, obrigando o governo a diminuir a quantidade de metal que usam para fabricar as moedas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG