Nuon Chea culpou os vietnamitas pelas mortes de milhões de cambojanos durante o regime maoísta nos anos 1970

O ideólogo do Khmer Vermelho, Nuon Chea, afirmou nesta segunda-feira que o regime maoista do partido nos anos 1970 não era formado por "pessoas más" e culpou o vizinho Vietnã pelas mortes dos cambojanos. O depoimento de Chea foi feito durante o julgamento em um tribunal da ONU que começou, no ano passado, a julgar casos relacionados à revolução sangrenta dos Campos de Extermínio, que eliminou um quarto da população do Camboja entre 1975 e 1979.

Leia também:
- Líder do Khmer Vermelho diz que defendeu o Camboja de invasores
- Corte do Camboja ouve acusações contra chefes do Khmer Vermelho
- Camboja inicia julgamento histórico de autoridades do Khmer Vermelho


Foto divulgada pelo Tribunal do Camboja mostra Nuon Chea durante audiência
AP
Foto divulgada pelo Tribunal do Camboja mostra Nuon Chea durante audiência


Essa foi a primeira vez que Chea foi questionado sobre seu papel no regime liderado por Pol Pot. Além de Nuon Chea, estão sendo julgados o ex-presidente Khieu Samphan e o ex-ministro de Relações Exteriores Ieng Sary. Os três dirigentes ainda vivos do regime totalitário, são acusados de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, em um processo que durará vários anos e envolve 4 mil partes civis.

Os três negaram as acusações. "Eu não quero que as próximas gerações não entendam a história", disse Chea. "Eu não quero que eles entendam que o Khmer Vermelho era formado por más pessoas, por criminosos. Nada disso é verdade."

O réu de 85 anos disse que dedicou sua vida a servir o seu país e afirmou que as mortes do regime foram perpetradas por elementos desonestos e vietnamitas. "Esses crimes de guerra e crimes contra humanidade não foram cometidos por cambojanos", disse. "Foram os vietnamitas que mataram os cambojanos."

Ele também disse que originalmente se envolveu com o movimento de resistência que se tornou o Khmer Vermelho, porque estava desgostoso com a maneira que as autoridades coloniais francesas e os proprietários de terra tratavam os cambojanos, como escravos.

Khieu Samphan também está programado para se pronunciar no tribunal, mas Ieng Sary se recusou a testemunhar.

Promotores dizem que até 2,2 milhões de pessoas foram mortas sob o regime do Khmer Vermelho, que foi finalmente obrigado a deixar o poder quando o Vietnã invadiu o país em 1979.

Membros remanescentes do Khmer Vermelho continuaram lutando até os anos 1990. Pol Pot, que estudou na França e foi o arquiteto do regime, morreu em 1998. A ex-ministra de Assuntos Sociais Ien Thirith, esposa de Ieng Sary, que sofre de perdas de memória, demência e, possivelmente, Mal de Alzheimer, foi declarada incapacitada para ser julgada e não assiste ao processo.

Essa sessão começou formalmente em junho, com as deliberações sobre os aspectos legais e foi posteriormente segmentada em pequenos processos para tornar o julgamento menos complexo no tribunal estabelecido em 2006, após quase nove anos de discussões.

A primeira fase julgará exclusivamente as deportações maciças das cidades para o campo, que causaram a morte de milhares de pessoas por exaustão, crise de fome e doenças, assim como os crimes contra a humanidade relacionados com esses. O veredicto em apelação é aguardado para 3 de fevereiro.

Em julho de 2010, Kaing Guek Eav, conhecido como "Duch", chefe da prisão S21 da capital, onde cerca de 15 mil cambojanos foram torturadas antes de serem executados, foi condenado a 30 anos de prisão.

O primeiro-ministro Hun Sen sempre se opôs à abertura de outro processo, e as acusações de pressão do governo cambojano sobre o tribunal provocaram uma polêmica nos últimos meses. "É um acontecimento de primeira magnitude que o processo enfim tenha começado", comentou o porta-voz do tribunal, Lars Olsen. "Muitas pessoas achavam que isto jamais aconteceria", acrescentou.

Com BBC e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.