Membros da Otan enviarão mais 7 mil soldados ao Afeganistão

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico-Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, disse nesta sexta-feira que 25 países da aliança vão enviar pelo menos mais 7 mil soldados para o Afeganistão. Rasmussen fez o pronunciamento em uma reunião da Otan em Bruxelas.

BBC Brasil |

"Pelo menos 25 países vão enviar mais soldados para a missão (no Afeganistão) em 2010", disse o secretário-geral a jornalistas.

"Eles ofereceram cerca de 7 mil novos soldados e mais virão. Contando com a contribuição dos Estados Unidos, isto significa que a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf, na sigla em inglês, como é chamada a força da Otan que atua no Afeganistão) terá um aumento de 37 mil soldados em 2010. Isto é solidariedade em ação", afirmou.

Estados Unidos
No começo da semana, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou o envio de mais 30 mil soldados para o Afeganistão a partir do início de 2010.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, falando depois da reunião em Bruxelas, descreveu a resposta dos países aliados da Otan como "positiva", e pediu que eles se unissem à nova estratégia americana no Afeganistão.

No entanto, alguns países, como França e Alemanha, ainda não se comprometeram com mais envios de tropas.

Segundo fontes que participaram da reunião, entre as contribuições estariam mais de 1,1 mil soldados da Itália e mais de 900 da Geórgia. Vários países que não são membros da Otan ofereceram soldados, como a Mongólia, Colômbia e Coreia do Sul.

Governança
De acordo com o correspondente da BBC em Bruxelas Nick Childs, o ponto principal no discurso de Rasmussen nesta sexta-feira foi a união da aliança em torno da missão no Afeganistão.

Rasmussen também afirmou que vários países prometerem mais verbas para programas de assistência no país centro-asiático, como parte da nova estratégia de fornecer serviços básicos aos afegãos.

Mas ele acrescentou que o governo afegão também precisa participar do processo de reconstrução do país.

"Nenhuma destas iniciativas vai funcionar se não tiver o apoio da boa governança, da governança eficiente, no Afeganistão, incluindo o combate à corrupção e o combate ao tráfico de drogas", afirmou.

A promessa de envio de mais 7 mil soldados ainda fica abaixo do que foi pedido pelos Estados Unidos. Obama havia solicitado que os países membros da Otan enviassem mais dez mil soldados ao Afeganistão.

Hillary Clinton disse em Bruxelas que é crucial o envio de mais soldados e assistência não militar o mais rápido possível.

"A necessidade de mais soldados é urgente, mas a presença deles (no Afeganistão) não será (por tempo) indefinido", afirmou a secretária de Estado durante uma reunião de ministros do Exterior de países membros da Otan e representantes que países que não são membros, mas tem soldados no Afeganistão.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG