Membro do Vaticano critica excomunhão de mãe de menina brasileira violentada

O presidente da Academia Pontifícia para a Vida, o arcebispo Rino Fisichella, criticou a decisão de excomungar a mãe da menina brasileira que interrompeu uma gravidez de gêmeos, fruto da violência sexual de seu padrasto, e toda a equipe médica que atendeu a jovem, em um artigo de opinião que será publicado neste domingo pelo jornal Osservatore Romano.

AFP |

"Antes de pensar em uma excomunhão, era necessário e urgente salvaguardar a vida inocente" da menina "para levá-la a um nível de humanidade no qual os homens da Igreja deveriam ser os especialistas e mestres", escreve Fisichella.

"Infelizmente, este não tem sido o caso, e a credibilidade de nosso ensino, que a muitos pareceu insensível, incompreensível e privado de misericórdia, foi mais uma vez posta em dúvida", continua a autoridade máxima do órgão do Vaticano encarregado de promover a doutrina da Igreja em questões de bioética.

A menina de nove anos "levava nela outras vidas inocentes como a sua, embora fossem fruto da violência, e tenham sido eliminadas, mas isso não é suficiente".

A menina de nove anos foi engravidada por seu padrasto, que a violentava.

A Conferência Episcopal brasileira desautorizou na sexta-feira o arcebispo de Recife que ordenou a excomunhão por considerar que a mãe reagiu "pressionada pelos médicos" que a asseguraram que sua filha morreria caso não interrompesse a gravidez.

Esta decisão provocou as críticas de alguns bispos, já que para eles o princípio do "respeito à vida" da Igreja não justifica "a severidade" de tal decisão.

Há uma semana, outro alto prelado do Vaticano, o cardeal Giovanni Battista Re, prefeito da Congregação dos Bispos, justificou a excomunhão por considerar que os gêmeos "eram duas pessoas inocentes que tinham o direito de viver".

Leia também:

Veja também:

Leia mais sobre: abuso sexual


    Leia tudo sobre: abortoabuso sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG