Madri, 14 out (EFE).- O subsecretário-geral para Assuntos Humanitários da ONU, John Holmes, expressou hoje seu temor de que a crise econômica atinja os orçamentos de cooperação dos países ricos e advertiu que uma redução do valor atribuído à ajuda externa agravaria a situação em muitos países.

"Os efeitos não são visíveis por enquanto, pois esta fase atual de crise é muito nova. Entretanto, tememos que possa levar à recessão em alguns países e que os Governos tenham de gastar mais em planos de resgate", disse Holmes na sede da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid).

"Isto atingiria os orçamentos para o desenvolvimento", acrescentou.

O responsável da instituição que coordena as ajudas concedidas por Governos, ONGs e outras entidades afirmou que, dos US$ 12 bilhões anuais de que a ONU dispõe para assuntos humanitários, 70% são destinados para casos de conflitos e o resto para catástrofes naturais.

A respeito dos primeiros destacou a preocupante situação de Darfur, Congo, Somália, Chade, além das áreas ocupadas no território palestino e no Afeganistão, enquanto as maiores catástrofes foram as provocadas por um ciclone em Mianmar e por um terremoto na China.

"Esperamos que os Governos protejam este orçamento, já que as necessidades humanitárias são cada vez mais estimuladas pelos mencionados conflitos prolongados, pela crise global de alimentos e pelas catástrofes causadas pela mudança climática", declarou Holmes.

EFE arv/fh/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.