Medvedev prevê chance de boas relações com Obama

Por Oleg Shchedrov CANNES, França (Reuters) - O início do governo de Barack Obama nos EUA representa uma boa oportunidade de reparar as relações entre Moscou e Washington, disse na quinta-feira o presidente russo, Dmitry Medvedev.

Reuters |

Em discurso no sul da França, o presidente russo deixou de lado a recente retórica belicosa e demonstrou mais otimismo com a melhoria das relações bilaterais. No fim de semana, Medvedev participa em Washington da cúpula financeira do G20.

"Desejo boa sorte ao novo presidente dos EUA, porque ele enfrenta tremendos problemas econômicos e políticos", disse ele em um evento empresarial.

"A situação no mundo irá depender muito de como o governo dos EUA lida com esses problemas."

As relações entre os dois países vivem seu pior momento desde o conflito de agosto entre a Rússia e a Geórgia, aliada do Ocidente, pelo controle da Ossétia do Sul.

Outro ponto de atrito é a possível instalação de um escudo antimísseis dos EUA no Leste Europeu, tradicional esfera de influência do Kremlin. A Rússia ameaça colocar mísseis na fronteira com a Polônia se isso ocorrer.

Medvedev disse que ele e Obama vão se encontrar em janeiro, depois da posse do novo presidente dos EUA. "A chance de construir uma relação plena é bastante alta, no meu entender", declarou.

Na sexta-feira, Medvedev participará em Nice de uma cúpula Rússia-UE, em que deve ser discutido um novo pacto de cooperação, abandonado depois do conflito na Geórgia. A energia exportada pela Rússia é essencial para a economia européia e Medvedev prometeu continuar sendo um parceiro confiável.

"Se necessário, tomaremos as decisões de perfurar novas reservas para fornecer petróleo e gás à Europa e à Ásia", disse ele.

Ainda sobre a UE, ele declarou: "Nossas posições frequentemente coincidem, às vezes até em detalhe. Tenho certeza de que em Washington falaremos uma só língua."

Mas o presidente russo alertou contra o excesso de expectativas quanto à reunião do G20. "O principal é que a cúpula ocorra e considere as questões mais complicadas e dolorosas, e que ofereça mecanismos para construir uma nova arquitetura financeira", disse Medvedev.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG