Medvedev elogia lançamento de míssil balístico russo

Moscou, 11 out (EFE).- O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, elogiou hoje o bem-sucedido lançamento de teste de um míssil balístico intercontinental, e disse que não serão poupados recursos para a criação de novos tipos de armamento.

EFE |

O míssil Sineva, lançado pelo submarino nuclear "Tula" no mar de Barents, atingiu um alvo situado na parte equatorial do oceano Pacífico, após percorrer 11.547 quilômetros.

"É o melhor resultado obtido com este míssil balístico", disse Medvedev, durante um encontro com a tripulação do porta-aviões "Admiral Kuznetsov", a bordo do qual presenciou as manobras da Frota do Norte russa, informaram as agências.

Segundo o presidente russo, o lançamento bem-sucedido do míssil Sineva é "um trabalho preliminar bastante significativo, que visa ao futuro". Medvedev também ressaltou que "ninguém nunca obteve esses resultados: 11,5 mil quilômetros".

Isso mostra que "as perspectivas para o míssil balístico Sineva são boas", segundo Medvedev.

"Pela primeira vez na história da Marinha russa, o lançamento não tinha como alvo o polígono de Kura, na península de Kamchatka, mas a parte equatorial do Pacífico", disse o porta-voz da força naval russa, o capitão de navio Igor Digalo.

O presidente russo também disse que o Estado não poupará recursos para a criação de novos tipos de armamento, nem para a garantia de condições sociais para os soldados.

"A modernização das Forças Armadas da Rússia busca dois objetivos principais: criar uma imagem totalmente nova das Forças Armadas e novos tipos de armas. (Queremos) tê-las prontas para o combate e utilizá-las na prática", disse.

Medvedev qualificou de "extremamente importante" esta finalidade "de manter a capacidade militar" das Forças Armadas russas.

O segundo objetivo é a "criação de condições sociais normais para os soldados", ressaltou, e lembrou que as unidades militares em disposição permanente receberão salários mais altos a partir de janeiro de 2009.

"Será uma quantidade digna, comparável à que se paga em países desenvolvidos", disse.

Além disso, prometeu que o Estado continuará criando infra-estruturas sociais para os soldados, como a construção de cidades militares e escolas, além de ter declarado que, "para isso, também não se deve poupar recursos".

Medvedev pediu ao Ministério da Defesa que crie um programa para a construção de porta-aviões, a fim de começar sua fabricação nos próximos dois anos.

Lembrou que a construção desses navios leva uma média de cinco anos, motivo pelo qual só serão percebidos alguns resultados entre 2013 e 2015.

"Nos anos 90, perdemos muito, não construímos nada. É necessário reconstituir a base da fabricação de porta-aviões e, propriamente dito, de toda a Marinha", disse. Medvedev também lembrou que já estão sendo fabricados novos submarinos. EFE egw/fh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG