Por Oleg Shchedrov VLADIKAVKAZ, Rússia (Reuters) - Um ano depois de a Rússia ter derrotado a tentativa militar da vizinha Geórgia de retomar o controle de uma região pró-Moscou dominada por rebeldes, o presidente Dmitry Medvedev disse neste sábado que a guerra redesenhou para sempre o mapa do Cáucaso.

Em uma cerimônia para condecorar oficiais e soldados que participaram do conflito de cinco dias, Medvedev afirmou que o 58o Exército tinha evitado o extermínio da Ossétia do Sul, que rompeu com o governo da Geórgia no início dos anos 1990.

A Rússia reconheceu a Ossétia do Sul e a Abkházia, uma região separatista no Mar Negro, como países independentes depois do conflito e garantiu sua segurança.

"Os acontecimentos do ano passado finalmente redesenharam o mapa político do Cáucaso", disse Medvedev na capital da Ossétia do Norte, Vladikavkaz.

"O reconhecimento da independência da Ossétia do Sul e da Abkházia era a única solução possível", afirmou. "Esta decisão não será revista."

Medvedev mais tarde disse a uma delegação da Ossétia do Sul que reconhecer sua região como independente foi uma decisão difícil, mas correta.

A guerra matou pelo menos 390 civis e no seu auge deixou mais de 100 mil desabrigados. Um pacto de cessar fogo não cumprido e tiroteios esporádicos mantêm vivo o risco de novo conflito.

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, diz que a Rússia estimulou o separatismo e invadiu antes de ele agir, uma acusação que Moscou refuta.

A Geórgia afirma que a invasão foi planejada como punição por sua posição pró-ocidental e por sua tentativa de entrar na aliança militar da Otan.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.