Medvedev diz que a Rússia é o alvo do escudo antimísseis dos EUA

MOSCOU - O escudo antimísseis dos Estados Unidos na Europa do Leste tem por alvo a Federação Russa, afirmou nesta sexta-feira o presidente russo Dimitri Medvedev em coletiva de imprensa com a chefe de governo alemã, Angela Merkel.

Redação com AFP |

Medvedev aludiu assim ao fato de os Estados Unidos e Polônia terem fechado na quinta-feira um acordo sobre a instalação de partes do escudo de proteção antimísseis americano na Europa, que certamente aumentará ainda mais a tensão entre a Rússia e o Ocidente.

A respeito do conflito com a Geórgia, enfatizou que a Rússia é a "avalista" da segurança no Cáucaso e que apoiará a vontade dos povos que vivem nas duas regiões separatistas georgianas.

Disse ainda que é improvável que essas regiões, Ossétia do Sul e Abkházia, continuem fazendo parte do Estado georgiano. "Infelizmente, depois do que aconteceu, é pouco provável que os ossetas do sul e os abkházios possam viver num mesmo Estado com os georgianos".

Em função disso, a Geórgia tem que aceitar o plano de paz negociado com o presidente francês Nicolas Sarkozy.

Disse ainda que a Rússia não deseja uma deterioração das relações com os ocidentais por causa da crise na Geórgia, mas que responderá como fez na Ossétia do Sul se seus cidadãos forem alvo de novos ataques.

Merkel, por sua vez, não evitou criticar o lado russo na crise. "Considero que a reação da Rússia foi 'desproporcional'", afirmou ao lado de Medvedev, depois de se reunir com ele em Sochi, sul do país.

Segundo ela, o ponto de partida das negociações para solucionar o conflito da Ossétia do Sul e da Abkházia deve ser o respeito à "integridade territorial" da Geórgia.

Também ressaltou que a aspiração da Ucrânia e da Geórgia de entrar para a Organização do Tratado de Atlântico Norte (Otan) continua vigente, independente do conflito russo-georgiano.

Tensão entre EUA e Rússia

A iniciativa dos Estados Unidos de construir instalações de defesa antimísseis no Leste Europeu vem provocando tensões no relacionamento do governo americano com a Rússia.

Os Estados Unidos querem construir um sistema que vai permitir a interceptação de mísseis balísticos. Este sistema envolve radares estacionários e mísseis interceptadores em lugares como o Alasca e a Califórnia. Na Polônia, o plano é instalar dez mísseis.

A Rússia é contra, apesar de o presidente americano, George W. Bush, ter dito que Moscou nada teria a temer, porque os alvos do sistema de defesa americano seriam países hostis, como o Irã e a Coréia do Norte.

Em outubro passado, o então presidente Vladimir Putin chegou a dizer que os planos americanos poderiam levar a uma situação semelhante à Crise dos Mísseis de Cuba, na década de 60, que quase desencadeou um conflito nuclear entre os Estados Unidos e a ex-União Soviética.


Polônia faz fronteira com Ucrânia e Belarus

Leia mais sobre Rússia

    Leia tudo sobre: escudo antimisseis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG