Medvedev conclui visita bem-sucedida à Ásia antes da cúpula do G8

Moscou, 5 jul (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, termina hoje no Cazaquistão uma bem-sucedida viagem energética pela Transcaucásia e Ásia Central, após a qual fará sua apresentação ao Ocidente, ao participar de sua primeira cúpula do Grupo dos Oito (G8, os sete países mais industrializados e a Rússia), no Japão.

EFE |

Assim como seu antecessor no Kremlin, Vladimir Putin, Medvedev manteve a energia como bandeira da política externa e destinou sua viagem a garantir o fornecimento de gás centro-asiático à Rússia e o controle das rotas de exportação para a Europa.

O presidente russo, que disputa com Estados Unidos, União Européia (UE) e China pelo acesso direto aos recursos do Mar Cáspio e da Ásia Central, chegou na quarta-feira ao Azerbaijão, país com grandes reservas de hidrocarbonetos, onde garantiu os primeiros fornecimentos de gás.

O Azerbaijão, que busca cooperar ao mesmo tempo com a Rússia e o Ocidente, planeja extrair 45 bilhões de metros cúbicos de gás por ano até 2015, mas essa quantidade não é suficiente para encher todos os gasodutos sem as reservas do Turcomenistão e do Cazaquistão.

A Rússia já fechou um acordo de termos gerais com o Cazaquistão e o Turcomenistão para a construção do Gasoduto do Cáspio, planejado para levar gás da Ásia Central aos mercados mundiais através do território russo.

O chefe do Kremlin continuou sua ofensiva no campo energético ontem, no Turcomenistão, onde o presidente do país, Kurbanguly Berdymukhamedov, reafirmou os compromissos de seu país de fornecer gás à Rússia e participar do Gasoduto do Cáspio.

Desde o fim da União Soviética, o Turcomenistão tem sido um dos países mais isolados da região e aliado da Rússia.

Após a chegada de Berdymukhamedov ao poder, no entanto, o país vem empreendendo uma política de reformas internas e de abertura ao Ocidente.

A preocupação de Moscou se deve a que Berdymukhamedov, que afirma que o Turcomenistão possui gás suficiente para a Rússia e a Europa, também prometeu participar dos gasodutos ocidentais que competem com o projeto russo.

No Cazaquistão, Medvedev também falará de energia com o presidente do país e fiel aliado de Moscou, Nursultan Nazarbayev, mas de forma mais tranqüila, pois esse país e a China foram os destinos de sua primeira viagem ao exterior após assumir a Presidência russa, em maio.

Na segunda-feira, Medvedev participará no Japão de sua primeira cúpula do G8, centrada na mudança climática e na crise dos alimentos, com seu crescente impacto econômico e social, a escalada do preço do petróleo e a ajuda à África.

Na ilha japonesa de Hokkaido, Medvedev se encontrará com os presidentes dos EUA, George W. Bush, e da França, Nicolas Sarkozy; com os primeiros-ministros do Japão, Yasuo Fukuda; do Reino Unido, Gordon Brown; e da Itália, Silvio Berlusconi; e com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

Medvedev também deve se encontrar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com os chefes de Estado da Coréia do Sul, Lee Myung-bak, e da Índia, Pratibha Patil. EFE si/wr/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG