Moscou, 24 jan (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, afirmou hoje que 95% do Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês) entre a Rússia e os Estados Unidos já está acertado.

"As negociações vão bem. Pelo menos 95% dos assuntos já foram acordados. Estou otimista", disse Medvedev em sua residência de Sochi (Mar Negro) às agências russas.

Medvedev ressaltou que ele e o presidente americano, Barack Obama, "estabeleceram limites claros: o que eles não podem (fazer) e o que os outros não podem (fazer)".

Destacou que Moscou seguirá insistindo sobre a inclusão nas negociações do desarmamento o escudo antimíssil americano.

"Não se pode falar de forças estratégicas nucleares sem falar do escudo antimíssil. Se há lançamentos nucleares há lançamentos antimísseis", disse.

No sábado, o ministério da Defesa russo confirmou que retomarão em fevereiro em Genebra as negociações da assinatura do novo Start, suspensas desde o fim do ano.

Em conversas realizadas na quinta-feira e sexta-feira em Moscou, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, o general James Jones, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Mike Mullen definiram as linhas do acordo.

Por sua vez, o embaixador dos EUA em Moscou, John Beyrle, afirmou nesta semana que "as negociações estão em fase final" e "concluirão em breve".

Beyrle sugeriu que a assinatura do novo Start ocorra no encontro entre Medvedev e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na cúpula nuclear de abril nos EUA.

Segundo a imprensa, Moscou e Washington não resolveram as diferenças sobre as inspeções dos arsenais de ambos os países e as trocas de informações.

Com relação a isso, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, afirmou que Washington quer ter acesso aos dados dos lançamentos de mísseis balísticos russos em troca terá de revelar a Moscou essa mesma informação dos sistemas antimísseis.

Conforme os analistas, o Senado americano nunca aprovaria um tratado de desarmamento que incluísse o escudo antimíssil.

O líder russo disse que o novo tratado de desarmamento estratégico deverá ser ratificado de maneira simultânea pelos Parlamentos dos dois países, caso contrário pode fracassar.

Obama e Medvedev acordaram em 4 de dezembro prorrogar a vigência do Start, que expiraria no dia seguinte, e se comprometeram em assinar um pacto substituto.

Pelo acordo de julho de 2009 em Moscou, o novo tratado de desarmamento deve reduzir o número de ogivas nucleares de cada país a um número entre 1.500 e 1.675 nos sete anos de vigência. EFE io/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.