Medo da gripe suína faz China alterar até programa de adoções

Pequim 2 mai (EFE).- O temor de que crianças à espera de adoção contraiam o vírus da gripe suína, por um possível contágio de pais adotivos estrangeiros, levou as autoridades chinesas a pedir às agências internacionais intermediárias que aconselhem o adiamento das viagens à China.

EFE |

"A menor defesa das crianças e a propagação do vírus da gripe AH1N1 por diversos países do mundo levam o Centro de Assuntos de Adoção da China (CAAC) a adotar a medida", informa a instituição oficial em seu site.

Segundo a nota, os potenciais pais adotivos de crianças chinesas que se preparavam para ir ao país, após receber a convocação para iniciar o processo legal de adoção, devem adiar a viagem.

Por isso, a validade dos documentos legais emitidos pelo CAAC de 1º de março a 30 de abril e que permitem recolher a criança e registrá-la nos consulados de seu país de origem na capital chinesa, se estenderá entre três e cinco meses.

O comunicado diz que as agências de adoção devem desaconselhar a viagem, pois "há casos de gripe suína em alguns países e regiões, dado seu alto nível de propagação e para evitar o contágio durante o processo de registro".

O primeiro paciente com gripe suína na "grande China" é um mexicano de 25 anos que chegou a Hong Kong em 30 de abril depois de passar por Xangai.

As autoridades de saúde locais pediram calma à população, já que se trata de "um caso importado e não há indícios de uma expansão em massa da gripe em Hong Kong". EFE pc/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG