Medidas de Obama podem salvar montadoras, diz analista

Um passo importante, que poderá salvar a indústria automobilística americana. É assim que Dan Weiss, diretor de Estratégias Ambientais do instituto de pesquisas Center for American Progress, em Washington, vê as medidas ambientais anunciadas nesta segunda-feira pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

BBC Brasil |

Obama anunciou a revisão da decisão tomada por seu antecessor, George W. Bush, de impedir que a Califórnia e outros 13 Estados americanos possam determinar níveis de emissão de gases poluentes em veículos automotivos.

O líder americano também pediu a construção de frotas de veículos de combustível flexível e a criação de uma ''economia energética'', capaz de gerar milhões de empregos.

Para Dan Weiss, as ações de Obama poderão colocar a indústria de automóveis americana no caminho certo, ''o de construir um veículo eficiente, que economize combustível e que seja o carro do futuro''.

''A indústria automotiva americana está à beira da falência há 20 anos, por ter resistido a todas as propostas de acatar níveis de emissão de poluentes e de eficiência. Ela chegou ao estado atual por ter sido a indústria do 'não', nos Estados Unidos. O que Barack Obama está dizendo é que 'sim, nós podemos construir carros mais eficientes'', afirma Weiss.

Restrições
As propostas do presidente foram, no entanto, recebidas com ressalvas por representantes da indústria automotiva e líderes da oposição republicana.

Antonia Ferrier, porta-voz do líder republicano no Congresso, John Boehner, afirmou que as medidas teriam efeitos negativos sobre a indústria automotiva americana.

''Os fabricantes de automóveis do nosso país estão lutando, reestruturando-se drasticamente e cortando empregos para se manter à tona. E agora estão sendo obrigados a gastar bilhões de dólares para acatar os níveis de emissões da Califórnia, em vez de usar esse dinheiro para salvar empregos americanos'', disse a porta-voz.

Proposta única
Em um comunicado enviado à BBC Brasil, a Alliance of Automobile Manufacturers fez restrições às decisões anunciadas por Obama. A entidade é o grupo que representa os interesses da indústria automobilística americana.

O grupo das automotivas disse estar disposto a trabalhar junto com o governo americano por uma diretriz que una propostas estaduais e federais de emissões de poluentes e de economia de combustíveis, que sejam uniformes em todos os Estados Unidos.

O lobby automotivo protestou em seu comunicado contra o fato de que ''atualmente, há três vozes diferentes no que diz respeito a poluentes e emissão de gases poluentes''.

De acordo com a Alliance of Automobile Manufacturers, as três vozes são as da Agência de Proteção Ambiental (o órgão oficial do governo americano), a National Highway Traffic Safety Administration (outra agência federal, ligada ao Ministério do Transporte, que responde pela criação de padrões para economia de combustíveis) e o Estado da Califórnia.

''Cada uma delas oferece diferentes padrões, diferentes estruturas e diferentes prazos de aplicação. Os fabricantes de automóveis estão buscando uma solução federal-estadual que ofereça um único padrão nacional'', diz o documento.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG