Medida do governo pode levar a corte da ajuda dos EUA a Honduras

WASHINGTON (Reuters) - Membros do Departamento de Estado dos EUA recomendaram que a deposição do presidente hondurenho, Manuel Zelaya, seja qualificada como golpe militar, disse um funcionário nesta quinta-feira. A medida pode levar ao corte de até 150 milhões de dólares em ajuda dos EUA ao país. Essa fonte, que pediu anonimato, disse que funcionários do Departamento de Estado fizeram a recomendação à secretária Hillary Clinton, que deve tomar uma decisão em breve.

Reuters |

Washington já suspendeu uma ajuda militar de 18 milhões de dólares a Honduras depois do golpe de 28 de junho. A ajuda seria formalmente interrompida se Hillary se pronunciar favoravelmente à recomendação, já que a legislação dos EUA proíbe a ajuda "ao governo de qualquer país cujo chefe de governo devidamente eleito seja deposto por um decreto ou golpe militar."

A fonte disse que uma doação de 215 milhões de dólares para financiar a Corporação dos EUA para o Desafio do Milênio em Honduras seria cancelada na hipótese de Hillary declarar que houve um golpe militar.

Cerca de 76 milhões de dólares dessa verba já foram liberados, e uma outra fonte oficial dos EUA disse que os restantes 139 milhões de dólares adicionais é que seriam afetados.

Diplomatas dizem que os EUA evitam qualificar formalmente o golpe de Honduras dessa forma, pois assim estariam dando uma chance para as negociações, sob mediação internacional, que se seguiram à deposição de Zelaya,

Tais esforços ainda não deram resultado algum, de modo que os EUA estariam dando passos para ampliar a pressão sobre o governo provisório --o que inclui a decisão, tomada na terça-feira, de parar de emitir vistos na sua embaixada em Tegucigalpa.

"A recomendação do prédio (do Departamento de Estado) é para que ela (Hillary) assine," disse o primeiro funcionário, acrescentando que isso seria uma resposta à recusa do governo interino em aceitar uma proposta do mediador costarriquenho Oscar Arias que levaria à restituição de Zelaya como presidente antes das eleições marcadas para novembro em Honduras.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG