Um médico está sendo julgado em Londres pela acusação de ter colocado remédios de efeito abortivo em várias bebidas de sua amante grávida.

Edward Erin, de 44 anos, e a enfermeira Bella Prowse, de 33, estavam mantendo um caso havia um mês quando ela descobriu a gravidez, em janeiro de 2008.

Erin, casado e com dois filhos, tentou convencer Prowse a fazer um aborto, que é legalizado na Grã-Bretanha.

Após sua recusa, segundo a enfermeira, ele então teria tentado forçar a interrupção da gravidez com drogas, o que ele nega.

Pó amarelo

Na primeira audiência do julgamento, na segunda-feira, Prowse disse à corte que começou a suspeitar logo que encontrou um pó amarelo no fundo de uma xícara de chá que o médico havia preparado para ela.

Ela afirmou ainda ter encontrado a mesma substância em uma xícara de café e em um copo de suco de laranja.

Prowse então levou os recipientes e amostras das bebidas para a polícia, que confirmou a contaminação com medicamentos com efeito abortivo.

"Ele me disse que não estava pronto para ter um bebê", contou a enfermeira na audiência. "Ele chorava e me implorava para eu fazer o aborto."

Prowse, que já tem uma filha de outro relacionamento, acabou dando à luz um bebê saudável. O julgamento será retomado nesta terça-feira.

Leia mais sobre aborto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.