Médico amputa braço com instruções enviadas por celular

Um médico britânico que trabalhou como voluntário na República Democrática do Congo conseguiu amputar o braço de um paciente seguindo as instruções de um colega enviadas por mensagens de texto pelo celular.

BBC Brasil |

O cirurgião vascular David Nott fez a operação improvisada em um adolescente de 16 anos cujo braço esquerdo tinha sido arrancado por um hipopótamo na cidade de Rutshuru, leste do país.

Um outro médico tinha amputado parte do braço do adolescente. Mas o que restou do braço no corpo infeccionou e precisou ser amputado também, senão o jovem poderia morrer dentro de alguns dias.

Nott se viu com a tarefa de realizar uma amputação para retirar a clavícula e a omoplata, uma cirurgia que ele nunca tinha realizado.

"Ele estava morrendo. Tinha apenas dois ou três dias de vida quando o vi", disse Nott, que trabalha no hospital Charing Cross, em Londres.

O médico, voluntário da organização Médicos Sem Fronteiras, enviou uma mensagem de texto pelo celular a um colega na Grã-Bretanha - o único que ele conhecia com os conhecimentos para esta operação -, pedindo instruções para o procedimento.

"Quase imediatamente ele me enviou uma resposta com o procedimento, como fazer, passo a passo", afirmou o médico à BBC.

Básico

A cirurgia ocorreu em outubro e o médico tinha à disposição apenas as condições mais básicas.

Para uma eventual transfusão, por exemplo, Nott contava com apenas pouco mais de meio litro de sangue.

"Obviamente você precisa pensar por 24 horas se realmente isto é a coisa certa a fazer ou não, você sabe, um menino no meio do Congo com um braço, pois é uma operação enorme. Na Grã-Bretanha você precisaria de uma unidade de terapia intensiva e uma HDU (Unidade de Alta Dependência, na sigla em inglês)", acrescentou.

Mas, desde a operação, em outubro, o adolescente vem apresentando uma ótima recuperação.

"Eu o vi na página dos Médicos Sem Fronteiras na internet, três dias atrás, vi o rosto dele lá. E isto mostrou que a operação foi bem sucedida e foi muito bom ver isso", afirmou Nott.

Leia mais sobre medicina

    Leia tudo sobre: medicina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG