Médico americano pró-aborto é assassinado

O proeminente médico americano pró-aborto George Tiller foi assassinado a tiros, neste domingo, dentro da igreja luterana que frequentava, na cidade de Wichita, Kansas.

BBC Brasil |

Tiller, de 67 anos, era um dos poucos médicos nos Estados Unidos que realizavam os chamados abortos em gravidez adiantada (após a vigésima semana de gestação, quando o feto já poderia ter condições de sobreviver fora do útero) e, havia muito tempo, era alvo de grupos pró-vida.

Sua clínica era frequentemente palco de manifestações e ele já havia sido ferido a tiros há 16 anos.

Ataque

A polícia ainda não realizou prisões, mas o homem branco que atirou contra o médico foi visto por diversas testemunhas que participavam da missa e fugiu em um carro que já foi descrito aos investigadores.

O ataque acontece duas semanas depois que o presidente americano, Barack Obama, fez um discurso sobre o aborto em uma das principais universidades católicas do país.

Analistas dizem que Obama está tentando acalmar os ânimos em torno do assunto, argumentando que o aborto deve permanecer legal, mas que o governo deve fazer todo o possível para limitar o número de concepções indesejadas.

Mas ativistas anti-aborto ficaram insatisfeitos com a decisão do presidente de reverter as restrições para o financiamento público de pesquisas utilizando células-tronco e de grupos que promovem abortos fora dos Estados Unidos.

Leia mais sobre aborto

    Leia tudo sobre: aborto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG