Mediadores internacionais negam fraudes em eleição mauritana

Nuakchott, 19 jul (EFE).- O representante do Grupo de Contato Internacional para a Mauritânia, o chadiano Mohammed Saleh Nadiv, disse à Agência Efe que até agora não recebeu nenhuma queixa apoiada em provas sobre fraudes nas eleições presidenciais mauritanas.

EFE |

Mais cedo, os principais candidatos da oposição denunciaram uma suposta fraude eleitoral cometida pelo ex-chefe da Junta Militar golpista, Mohammed Ould Abdelaziz, que, segundo as alegações, teria manipulado as eleições presidenciais realizadas ontem para "legitimar seu golpe de Estado".

O Grupo de Contato Internacional, que intermediou a resolução da crise mauritana, é integrado por União Europeia (UE), União Africana (UA), ONU, Liga Árabe, os membros do Conselho de Segurança da ONU e a Organização da Francofonia.

Nadiv disse à Agência Efe que um dos elementos constatados no pleito pelos observadores foram os "índices positivos sobre a transparência da operação".

Os eleitores foram em massa às urnas. Além disso, nos colégios eleitorais, havia fiscais dos vários candidatos, destacou Nadiv.

De qualquer maneira, a avaliação definitiva do Grupo de Contato Internacional só vai ser divulgada depois do relatório dos observadores e da proclamação oficial dos resultados pelo Ministério do Interior.

Com 63,52% dos votos apurados, Abdelaziz tinha 52,7% dos votos, resultado que, se confirmado, evitará a realização de um segundo turno. EFE mo/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG