McCain sabia de um possível resgate, mas diz que sua presença na Colômbia foi coincidência

O senador e candidato Republicano a presidência dos EUA, John McCain, parabenizou o presidente da Colômbia Álvaro Uribe na última quarta-feira, 2, pelo resgate de 15 reféns incluindo três norte-americanos seqüestrados pelas Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc), informou hoje o jornal ¿The New York Times¿.

Redação com agências internacionais |

  • Cronologia de seqüestros e libertações das Farc desde 1996
  • Reveja momentos marcantes das negociações de libertação de Ingrid
  • Perfil Ingrid Betancourt: vítima e símbolo do conflito colombiano
  • Caio Blinder: Farc perdem peões no seu tabuleiro criminoso
  • Carta Capital: o impacto do resgate nas Farc
  • Segundo a reportagem do jornal, McCain declarou abordo de seu avião de campanha que essas são ótimas notícias. O candidato deixou Cartagena ontem e seguiu rumo ao México. Durante o vôo, Uribe entrou em contato com McCain para noticiar o sucesso da operação. Graças a Deus eles estão livres. 

    A viagem de três dias à América do Sul e ao México tem como objetivo tentar mostrar que McCain é mais preparado que seu oponente, o senador Barack Obama, no quesito política internacional. Entretanto, a reportagem do NYT salientou que o momento do resgate foi bastante oportuno para o candidato. Apesar de o resgate ter sido coincidência e a viagem de McCain não ter nenhuma relação com o ocorrido, o evento o coloca em meio a conversas secretas com líderes de outros governos.   

    McCain sabia da tentativa de resgate

    McCain declarou que ele e seus companheiros de viagem - o senador Lindsey Graham, republicano da Carolina do Sul e Joseph I. Lieberman, independente de Connecticut ¿ foram informados por Uribe na noite de terça-feira, em Cartagena, que o governo colombiano planejava uma tentativa de resgate de alguns reféns ¿ incluindo os norte-americanos Thomas Howes, Marc Gonsalves e Keith Stansell. Todos os três eram empreiteiros e foram capturados pelas Farc em 2003. 

    AP
    Keith Stansell, Marc Gonsalves e Thomas Howes quando estavam seqüestrados

    A conversa que tratou do plano de resgate, que Lieberman descreveu como detalhada, atrasou a coletiva de imprensa que McCain e Uribe concederam na terça-feira em Cartagena. Na coletiva, McCain não deixou transparecer o que havia acabado de saber, mas mencionou os três reféns norte-americanos e parabenizou os esforços de Uribe em combater as Farc. 

    Agradecemos por seus esforços e queremos que consiga a libertação desses cidadãos que estão seqüestrados pelas Farc, especialmente os três americanos, e acreditamos que isso será alcançado com seu esforço declarou McCain. Nos pensamentos e orações estão com os três norte-americanos que estão mantidos reféns por tantos anos.  

    McCain mencionou novamente os reféns norte-americanos durante outra coletiva em Cartagena, na quarta-feira, um pouco antes das primeiras notícias sobre o resgate começarem a surgir.

    Resgate 100% colombiano

    A fim de esclarecer possíveis envolvimentos dos EUA e vincular a visita de McCain à Colômbia com o resgate realizado na quarta-feira, o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, declarou que a operação que permitiu o resgate de 15 reféns das Farc foi 100% colombiana. Entretanto, admitiu que os Estados Unidos auxiliaram em ajustes prévios.

    AFP
    AFP
    Ingrid Betancourt se reúne com sua mãe em base militar da Colômbia

    Entrevistado sobre o papel de Washington na operação de quarta-feira, Santos respondeu "nenhum" e completou: "Esta foi uma operação 100% colombiana".

    A operação resgatou a política Ingrid Betancourt, os americanos Thomas Howes, Marc Gonsalves e Keith Stansell - ligados ao Departamento de Defesa de seu país - e 11 militares e policiais colombianos.

    "Nós informamos ao embaixador (americano em Bogotá, William Brownfield) porque havia uma promessa do presidente Álvaro Uribe de comunicar ao presidente George W. Bush qualquer tipo de operação", disse o ministro ao canal Caracol.

    "Nós informamos e pedimos que nos ajudasse com algumas pessoas para testar as teorias que tínhamos e eles nos ajudaram um pouco a calibrar certas coisas, mas à margem. A verdade é que foi uma operação 100% colombiana, inclusive toda a inteligência foi colombiana", insistiu.

    Entenda

    Saiba mais sobre Ingrid

    O Resgate

    Imagens

    Repercussão

    Opinião

    Leia também:

    (*Com informações do The New York Times e AFP)

      Leia tudo sobre: euafarc

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG