McCain rejeita apoio de líder evangélico por comentários pró-nazistas

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, rejeitou nesta quinta-feira o apoio de um popular líder evangélico que afirmou, em um sermão em 1990, que os nazistas seguiram a vontade de Deus, ao perseguir os judeus na Europa.

AFP |

  • Saiba tudo sobre a corrida à Casa Branca
  • Entenda como funciona a corrida eleitoral americana
  • Veja o número de delegados por Estado dos candidatos
  • "Obviamente, considero esses comentários e outros profundamente ofensivos e indefensáveis e os condeno", disse McCain, em um comunicado, depois que os comentários do pastor texano John Hagee foram divulgados.

    "Não sabia desses comentários quando o reverendo Hagee me deu seu apoio, que agora rejeito", acrescentou.

    Um site divulgou as declarações de Hagee, segundo as quais Adolf Hitler era um "caçador" enviado por Deus para devolver os judeus para a Terra de Israel.

    "Por que aconteceu? Porque Deus disse que 'minha prioridade é que os judeus voltem para Israel'", afirmou Hagee.

    Alguns especialistas compararam a situação com a protagonizada pelo pré-candidato democrata Barack Obama, após as polêmicas palavras de seu pastor Jeremiah Wright.

    Wright, membro da Trinity Church of Christ, levantou polêmica nos EUA com fortes declarações de que "o terrorismo" americano era responsável pelos atentados do 11 de Setembro.

    Para evitar comparações, McCain esclareceu que "o reverendo Hagee não foi, nem é meu pastor, ou guia espiritual, e não freqüento sua Igreja há 20 anos", como é o caso de Obama.


    Leia mais sobre: eleições nos EUA

      Leia tudo sobre: eleições nos eua

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG