McCain não promete apoio a Palin em 2012

Washington, 15 dez (EFE).- O ex-candidato à Presidência John McCain afirmou em sua primeira entrevista após a derrota eleitoral que não necessariamente apoiará sua ex-candidata a vice, Sarah Palin, se ela se lançar como pré-candidata à Casa Branca em 2012.

EFE |

Em entrevista concedida ontem à noite à rede de televisão "ABC", o senador pelo Arizona foi perguntado se a governadora do Alasca poderia contar com seu apoio caso se apresentasse como candidata nas eleições gerais de daqui a quatro anos.

"Não posso afirmar algo assim. Temos outros governadores jovens com talento. Acho que vamos ver aos governadores jogar um papel mais transcendente no Partido Republicano", disse McCain, que citou Tim Pawlenty (Minnesota) e a Jon Huntsman (Utah).

As declarações de McCain são surpreendentes, depois de escolher Palin como sua "nº 2" na campanha eleitoral defendê-la das numerosas críticas que ela sofreu desde o primeiro dia de sua nomeação.

Apesar não promete apoio a Palin - que disse após as eleições que se Deus lhe mostrar a "porta" rumo à Presidência dos EUA em 2012, ela a abrirá e se transformará em candidata, McCain assegurou que "aprecia muito" a governadora e a sua família e que "foi um grande prazer conhecê-los".

Em outro momento da entrevista, McCain prometeu trabalhar para conseguir consensos com o Partido Democrata em assuntos de grande importância para o país, e criticou ataques ao presidente eleito Barack Obama por parte de seu partido.

O senador pelo Arizona rejeitou as queixas do Comitê Nacional Republicano de que Obama não foi transparente sobre seus contatos com o governador de Illinois, Rod Blagojevich, envolvido em um escândalo de corrupção após ser acusado de tentar "vender" ao melhor licitante a cadeira de senador deste estado que deixou livre o presidente eleito.

"Acho que a campanha de Obama deve e dará toda a informação necessária" a respeito, assinalou McCain.

O senador pelo Arizona assinalou que considera, assim como Obama e outros legisladores, que Blagojevich deveria renunciar. EFE cai/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG