McCain e Obama prometem reformas em Wall Street

Por Jeff Mason e Caren Bohan JACKSONVILLE/CHICAGO, Estados Unidos (Reuters) - Temendo um colapso de Wall Street, os candidatos à Casa Branca disputaram na segunda-feira a primazia das reformas financeiras a partir de 2009.

Reuters |

John McCain e Barack Obama trataram do tema depois de um fim de semana de notícias ruins, como a falência do banco de investimentos Lehman Brothers e a decisão do rival Merrill Lynch de aceitar a compra pelo Bank of America.

Bolsas do mundo todo despencaram na segunda-feira, apesar do empenho de autoridades e de candidatos a presidente dos EUA para tranquilizar os consumidores.

'Os fundamentos da nossa economia são fortes, mas estes são tempos dificílimos, e prometo que nunca mais colocaremos os Estados Unidos nesta posição', disse o republicano McCain em comício na Flórida, um Estado eleitoralmente estratégico.

'O governo McCain-[Sarah] Palin vai substituir a antiquada colcha de retalhos da supervisão regulatória e trará transparência e responsabilidade para Wall Street', disse o senador.

Em nota, o democrata Obama disse que a crise gera uma grave ameaça à economia dos EUA e enfatizou a necessidade de modernizar o sistema financeiro.

'Certamente não culpo o senador McCain por esses problemas, mas culpo a filosofia econômica da qual ele compartilha', declarou.

'É uma filosofia que diz que mesmo os regulamentos do bom senso são desnecessários e pouco inteligentes, e que diz que devemos manter as mãos grudadas na areia e ignorar os problemas econômicos até que eles disparem em espiral para uma crise.'

A economia é um dos principais temas desta campanha e os candidatos falam frequentemente sobre a crise do crédito imobiliário, o desemprego e o preço da gasolina.

As pesquisas em geral mostram que o eleitor confia mais em Obama do que em McCain para questões econômicas, mas sua liderança nesse quesito vem encolhendo.

Obama há tempos pede uma revisão das regras para Wall Street, atribuindo a crise das hipotecas 'subprime' e outros problemas à falta de transparência e responsabilidade do sistema financeiro.

'Os desafios que nosso sistema financeiro enfrenta hoje são mais uma evidência de que havia gente demais em Washington e em Wall Street que não estava tomando conta da loja', disse Obama.

McCain, que enfatiza promessas de não aumentar impostos e conter gastos públicos, na segunda-feira deu mais ênfase à necessidade de reformas no marco regulatório. Em um novo anúncio, intitulado 'crise', os republicanos prometem regras mais duras para proteger a poupança dos cidadãos das turbulências em Wall Street.

Tanto Obama como McCain dizem ser contra um pacote financiado pelo contribuinte para salvar o Lehman Brothers.

(Reportagem adicional de Andy Sullivan)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG