McCain e Obama fazem maratona em Estados indecisos

Por Jeff Mason NEWPORT NEWS, EUA, 1o (Reuters) - O republicano John McCain e o democrata Barack Obama batalharam neste sábado em Estados que votaram nos republicanos em 2004, no último e frenético final de semana de uma longa e extenuante campanha presidencial nos Estados Unidos.

Reuters |

McCain esteve na Virgínia incentivando o voto na próxima terça-feira, sendo este um Estado que normalmente vota nos republicanos mas que parece estar se alinhando com Obama.

"Precisamos vencer na Virgínia no dia 4 de novembro, e com a sua ajuda vamos vencer", disse um empolgado McCain, exortando seus apoiadores a "colaborar, bater nas portas."

"Com sua ajuda podemos e iremos vencer", disse ele aos partidários. "Estamos dando a volta por cima, e aqui na Virgínia."

Obama, que desfruta de vantagem nas pesquisas nacionais e em muitos Estados-chave onde a eleição será decidida, tentou arrebanhar Nevada, Colorado e Missouri, três Estados que escolheram Bush em 2004.

O próprio Bush não foi visto em nenhum momento na caravana de campanha de McCain. Com uma popularidade abaixo dos trinta por cento, Bush não foi convidado a fazer campanha para o candidato republicano. Obama tem insistido em retratar seu adversário como uma cópia de Bush.

Na terça-feira, os americanos irão votar, na prática, em 51 eleições separadas em cada Estado e no distrito de Columbia. A eleição americana é indireta. Após a soma dos votos dos cidadãos, cada Estado tem um número de votos no Colégio Eleitoral proporcional à população. O candidato que somar 270 votos no Colégio Eleitoral leva a Casa Branca.

Os americanos irão escolher entre Obama, senador de Illinois de 47 anos, que seria o primeiro presidente negro do país, e McCain, senador do Arizona de 77 anos, ex-prisioneiro de guerra no Vietnã que seria o mais velho presidente eleito para um primeiro mandato.

Se as atuais pesquisas estiverem corretas e se confirmarem no dia da eleição, Obama será o vencedor, possivelmente com uma larga vantagem.

SINAIS DE ESPERANÇA

Mas McCain e seus assessores vêem sinais de esperança em suas próprias pesquisas, assim como em alguns levantamentos junto à opinião pública.

Uma pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby divulgada neste sábado afirma que a dianteira de Obama sobre McCain caiu levemente para cinco pontos percentuais.

Os assessores de Obama dizem ter armado uma operação de campanha para vencer disputas apertadas contando com centenas de milhares de voluntários. A campanha do democrata arrecadou tanto dinheiro que se permitiu comprar tempo de exibição na TV Do Arizona, estado natal de McCain, porque os assessores perceberam uma oportunidade ali.

McCain vê na Pensilvânia sua melhor chance de ganhar em um Estado tradicionalmente democrático, mesmo com Obama na liderança das pesquisas lá.

Enquanto Obama possui várias combinações de Estados que pode utilizar para obter os 270 votos do colégio eleitoral, o espaço de manobra de McCain é mais estreito. Ele tem percorrido sobretudo estados que Bush levou em 2004, tentando garantir sua vitória ali.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG