Por John Whitesides OXFORD, Estados Unidos (Reuters) - O candidato republicano John McCain encerrou o suspense e anunciou nesta sexta-feira que participará à noite do primeiro dos três debates contra seu adversário democrata na disputa pela Casa Branca, Barack Obama.

McCain havia sugerido adiar o debate até que fosse concluída a negociação sobre o pacote de 700 bilhões de dólares para o resgate de instituições financeiras. Mas assessores disseram que ele avaliou que já há progressos suficientes para que ele participe do evento marcado para as 22h (horário de Brasília) na Universidade do Mississipi.

"A campanha de McCain está retomando todas as atividades, e o senador vai viajar para o debate hoje de tarde," disse um comunicado da campanha, acrescentando que McCain voltará em seguida a Washington para participar das negociações do pacote econômico.

A participação de McCain foi confirmada apenas no início da tarde, quando Obama já estava no seu avião de campanha, preparando-se para decolar rumo ao Mississipi.

O tema "oficial" do debate é a política externa e a segurança nacional, mas a crise financeira domina a campanha nas últimas duas semanas e quase certamente será discutida também.

Ambos os candidatos passaram a noite de quinta para sexta-feira na capital, e pela manhã, antes do reinício das negociações, negociaram com líderes parlamentares.

Na quinta-feira, uma reunião com congressistas (inclusive os senadores Obama e McCain) e membros do governo na Casa Branca terminou sem um acordo que permitisse aprovar o pacote de resgate das instituições financeiras.

3.000 JORNALISTAS

Ambos os candidatos se disseram otimistas com um acordo, mas se acusaram mutuamente de politizar o processo.

"A prioridade de Barack Obama é o exibicionismo político", disse a campanha de McCain em nota sobre as negociações.

No avião, Obama disse a jornalistas, ainda antes da confirmação da presença de McCain no debate, que o encontro da Casa Branca não fora "tão produtivo quanto poderia ter sido."

"Minha forte sensação é de que o melhor que posso fazer, ao invés de injetar a política (da eleição) presidencial em negociações delicadas, é ir ao Mississipi para explicar ao povo norte-americano o que está acontecendo."

A confirmação da presença de McCain foi um alívio para a Comissão Nacional de Debates e para a Universidade do Mississipi, que gastou cerca de 5 milhões de dólares para realizar o evento e receber os cerca de 3.000 jornalistas que irão à cidade de Oxford.

O debate deve ter uma audiência bem superior à dos discursos de McCain e Obama nas suas convenções partidárias, que esteve na casa dos 40 milhões. Esse primeiro confronto pode ser decisivo para um grande grupo de eleitores ainda indecisos, a menos de seis semanas da eleição de 4 de novembro.

As pesquisas mostram que a candidatura de Obama cresceu, especialmente por sua maior credibilidade em questões econômicas, e que agora ele está ligeiramente à frente do republicano.

(Reportagem adicional de Steve Holland)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.