McCain combate até o final para surpreender nas eleições dos EUA

Depois de percorrer na segunda-feira milhares de quilômetros em avião e fazer comícios em sete estados, John McCain, dado por vencido nas pesquisas, continua nesta terça-feira um esforço inédito em um candidato presidencial americano para tentar arrancar a vitória na última hora.

AFP |

Tradicionalmente durante o dia de votação nos Estados Unidos, os candidatos tiram o pé do acelerador eleitoral e se limitam a votar e esperar o resultado.

Mas o republicano John McCain afirmou durante toda a campanha e sua vida inteira que é um lutador e que gosta de contrariar os costumes. Assim, incluiu em sua agenda duas reuniões nesta terça-feira, em Colorado e Novo México, dois estados considerados chave.

O esforço final do candidato republicano começou na segunda-feira pela manhã em Tampa, Flórida, onde deu o tom: ele combaterá até o final. "Falta um dia para colocarmos os Estados Unidos numa outra direção", disse McCain a quase 500 pessoas reunidas em um estádio com capacidade para 65.000.

"Os especialistas talvez não saibam, os democratas talvez não saiba, mas 'Mac is back' (está de volta) e vamos ganhar esta eleição", afirmou.

Ao término de seu discurso, McCain entrou no avião de sua campanha, batizado de "Straight talk air", em direção a Blountville em Tennessee.

Ele não tem tempo a perder: o comício aconteceu a poucos metros da pista de aterrissagem, num hangar. "Sou um americano e escolhi lutar. Não abandonem a esperança, sejam fortes, tenham coragem e combatam", lançou ao encerrar sua campanha.

"Levante-se, levante-se e lutem", exortou McCain ante cerca de mil pessoas.

Em seguida, embarcou novamente, desta vez com destino a Moon Township, Pensilvânia. Nova reunião, novo discurso e o comitê de campanha voltou a sobrevoar os amplos campos do cinturão de milho do meio oeste.

Mas os primeiros sinais de cansaço começaram a aparecer: o senador por Arizona tinha a voz rouca. Ele não perdeu, no entanto, o bom humor e brincou ao falar ao microfone "Este microfone nos foi dado pelo Partido Democrata!", afirmou.

A multidão começou a gritar: "É um herói americano e isso é o que o país precisa agora", disse Robert Miller, de 54 anos, chefe de uma pequena empresa.

"Vejam como ele luta", acrescentou, admirado. "Acho que a imprensa tenta decidir a sorte da eleição no lugar do povo e não podemos deixar que isto aconteça", continuou.

Caiu a noite e o périplo de McCain terminou em Prescott (Arizona), onde tem o costume de terminar suas campanhas.

Após uma apresentação de sua esposa Cindy, cuja voz tremeu de emoção, o candidato prometeu romper a tradição segundo a qual os políticos do Arizona fracassam nas eleições presidenciais.

"É maravilhoso voltar ao Arizona, é bom estar em casa", disse McCain, antes de retomar a estrada no dia seguinte.

rcw/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG