Marrocos não revelou quando ou onde eles foram detidos, mas disse que os acusados eram especialistas em explosivos e iriam usá-los

Forças de segurança prenderam seis marroquinos suspeitos de planejar ataques no país e no exterior, informou o Ministério do Interior nesta segunda-feira.

O ministério não revelou quando ou onde eles foram detidos, mas disse que os seis eram especialistas na construção de explosivos e planejavam usá-los em ataques em países não especificados.

Os suspeitos também planejaram ataques com carros-bomba contra estabelecimentos estrangeiros no Marrocos, instituições marroquinas e instalações de segurança, disse o ministério em comunicado divulgado pela agência de notícias MAP.

A unidade também é "ativa em ciber-terrorismo", acrescentou o Ministério, sem dar maiores detalhes sobre esse aspecto das atividades.

"Os membros dessa rede adquiriram uma vasta experiência na montagem de explosivos e planejaram usá-la em atos de sabotagem em diversos pontos estratégicos no exterior... assim como dentro do território nacional", disse o comunicado.

A declaração não especificou os outros países e não revelou quem seria o alvo das sabotagens planejadas dentro do Marrocos.

Casos de violência ligados à militância são raros no Marrocos, um aliado do Ocidente conhecido pela sua estabilidade que já ajudou a atrair milhões de turistas ao país.

O último grande ataque foi uma série de ataques-suicida na capital econômica, Casablanca, em 2003, que matou 45 pessoas. Desde então, serviços de segurança dizem ter desmantelado mais de 60 unidades militantes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.