Marrocos diz que está disposto a negociar sobre Saara Ocidental

Rabat, 18 mar (EFE).- O rei marroquino Muhammad VI afirmou hoje ao enviado da ONU para o Saara Ocidental, Christopher Ross, que seu país está plenamente disposto a negociar para resolver o conflito na região com base nas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

EFE |

Ross esteve hoje na cidade de Tétouan (norte) acompanhado do ministro de Assuntos Exteriores marroquino, Taïeb Fassi-Fihri, para reunir-se com o monarca.

Na reunião, Muhammad VI lembrou Ross que o Marrocos aposta na negociação como forma de solucionar o conflito, partindo da resolução 1871 do Conselho de Segurança, que pede às partes para que demonstrem realismo e compromisso nas negociações, informou a agência oficial "MAP".

O rei também fez uma veemente defesa da iniciativa de autonomia que o Marrocos propõe para a ex-colônia espanhola, que, segundo ele, "responde perfeitamente aos parâmetros e direções das resoluções do Conselho de Segurança".

Em sua terceira viagem pela região desde que foi nomeado enviado especial em 2009, Ross pretende voltar a colocar as partes envolvidas na mesa das "conversas informais" que devem abrir caminho para uma nova rodada de negociações em Manhasset (Estados Unidos).

A última destas reuniões informais aconteceu em fevereiro deste ano em Armonk (EUA), onde as partes decidiram apenas continuar negociando.

Tanto o Marrocos como a Frente Polisário, movimento que luta pela independência do Saara Ocidental, ouviram as propostas de cada um, mas rejeitaram utilizá-las como base para as conversas.

Em sua reunião de hoje com Ross, Muhammad VI novamente recusou a opção de um plebiscito no Saara Ocidental que contenha várias opções, entre elas a independência, como quer a Frente Polisário.

Neste sentido, Marrocos recebeu um novo fôlego de Washington, onde foi divulgada hoje a carta enviada por 54 dos 100 senadores americanos à secretária de Estado, Hillary Clinton, que apoia a iniciativa de autonomia marroquina como uma opção séria e crível.

"Estamos muito preocupados com os indícios de uma crescente instabilidade no norte da África", onde as atividades terroristas aumentaram e "os países da região estão sob uma grande pressão de uma juventude agitada e uma precária base econômica", diz a carta.

Para o porta-voz do Governo marroquino, Khalid Naciri, o texto dos senadores americanos "reconforta" o Marrocos e demonstra que "as grandes potências são conscientes da necessidade de agir".

Ross deixará Rabat no sábado para viajar para os campos de refugiados saaráuis de Tinduf (Argélia). Depois, visitará Mauritânia e Argélia.

A viagem do enviado da ONU coincide com o início hoje de uma greve de fome por parte de cinco ativistas saaráuis na prisão de Sale, junto a Rabat. Os saaráuis reivindicam um julgamento justo ou sua libertação imediata.

Os cinco estão presos desde outubro à espera de um julgamento militar. Eles foram detidos no aeroporto Mohammed V, em Casablanca, ao retornar de uma viagem aos acampamentos de Tinduf, onde, segundo Rabat, se reuniram com membros do alto escalão do Exército argelino.

A situação dos direitos humanos é outro dos pontos relevantes na viagem de Ross, quem deve apresentar em abril um relatório ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para que o Conselho de Segurança possa debater a renovação do mandato da Missão das Nações Unidas para o Plebiscito no Saara Ocidental (Minurso).

Tanto a Frente Polisário como a Argélia pretendem que o próximo mandato da Minurso inclua a supervisão dos direitos humanos no Saara Ocidental, algo que tem a oposição de Rabat por considerar que a própria Frente Polisário não os respeita em Tinduf. EFE er/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG