Marinheiros chineses sequestrados por somalis são libertados

PEQUIM - Os 25 marinheiros chineses sequestrados em 19 de outubro por piratas somalis e seu navio, o cargueiro De Xin Hai, foram libertados após mais de dois meses de cativeiro, informa a agência estatal Xinhua.

EFE |

A "Xinhua" assinala que os marinheiros e o navio foram "resgatados" por volta das 3h de Pequim (17h de domingo em Brasília), mas os piratas somalis asseguraram que a libertação aconteceu somente após o pagamento de um resgate de US$ 3,5 milhões.

EFE
Cargueiro que estava sequestrado desde outubro


O De Xin Hai e sua tripulação se encontram agora sob a proteção dos navios militares chineses que realizam no Golfo de Áden operações de escolta, e em breve retornarão à China, informou a porta-voz de turno do Ministério de Assuntos Exteriores chinês, Jiang Yu.

O navio, propriedade da companhia de transporte Qingdao Ocean Shipping, foi sequestrado no dia 19 de outubro quando transportava 76 mil toneladas de carvão entre a África do Sul e a Índia, a 700 milhas náuticas (1.300 quilômetros) do litoral da Somália.

Durante os meses de sequestro, o Governo chinês manteve um longo silêncio sobre as negociações para libertar os sequestrados, mas a imprensa independente falou de um trato com os piratas sobre o pagamento de um resgate.

Leia mais sobre: sequestro

    Leia tudo sobre: chinaseqüestrosomália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG