Abordagem foi realizada sem violência; em maio, Israel matou nove militantes ao impedir que frota de navios rompesse bloqueio

A Marinha de Israel interceptou nesta terça-feira em alto-mar o veleiro de pacifistas judeus que tentava romper simbolicamente o bloqueio marítimo da faixa de Gaza, afirmou à AFP um dos organizadores da viagem em Gaza.

O veleiro Irene, pouco antes de partir de Famagusta
AFP
O veleiro Irene, pouco antes de partir de Famagusta

"Dez navios de guerra israelenses obrigaram o veleiro a desviar para Ashdod" (porto israelense), declarou à AFP um dos organizadores, Amjad al-Shawa, que estava em terra em Gaza. "Eles se renderam porque estavam cercados e não tinham outra opção", acrescentou.

A abordagem "foi realizada sem incidentes e nem os passageiros a bordo nem as forças marítimas israelenses usaram violência de nenhum tipo", afirmou uma porta-voz do Exército de Israel. Segundo ela, antes da abordagem foram feitas duas advertências ao capitão, informando-lhe que estava violando a lei israelense e o direito internacional. "As advertências foram ignoradas pelo capitão da embarcação e pelos passageiros, que continuaram navegando rumo à área que se encontra sob bloqueio marítimo", acrescentou.

"A Marinha assumiu o controle do veleiro para levá-lo ao porto de Ashdod", anunciou o Exército israelense em um comunicado. O texto afirma ainda que a ação não resultou em nenhum ato de violência de nenhum lado. O barco, com dez ativistas procedentes de Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e Israel, zarpou no domingo do porto de Famagusta, no Chipre, com a intenção de levar ajuda humanitária simbólica à população da faixa de Gaza.


O "Irene" navega sob bandeira britânica e foi fretado por organizações como a britânica Judeus pela Justiça para os Palestinos, a europeia Judeus Europeus por uma Paz Justa, a americana Voz Judia pela Paz e a australiana Judeus contra a Ocupação. Segundo os organizadores, trata-se de "um ato simbólico de solidariedade e protesto não violento" que reivindica a suspensão do bloqueio israelense a Gaza.
Em maio deste ano, o Exército de Israel interceptou uma frota de navios que levava ajuda humanitária e tentava quebrar o bloqueio sobre o território palestino. Na ação, nove militantes morreram.

* Com EFE e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.