Marinha iraniana testa míssil de longo alcance com sucesso, diz TV

O foguete tem um alcance de cerca de 200 quilômetros e pode destruir uma embarcação de guerra

iG São Paulo |

A Marinha iraniana lançou nesta segunda-feira com sucesso um míssil de longo alcance nas manobras navais que realiza no Golfo Pérsico, informou o porta-voz dos exercícios, o almirante Mahmoud Moussavi, em declarações à agência oficial Irna.

Leia também:
- Obama promulga novas sanções contra o Irã
- Irã ameaça fechar Estreito de Ormuz se sofrer novas sanções

AP
Em imagem divulgada pela agência de notícias do Irã, navio da Marinha iraniana lança um míssil durante treino no mar de Omã, no domingo

"Esse míssil, que foi projetado por especialistas iranianos, conseguiu impactar nos alvos previstos e destruí-los", afirmou Moussavi.

O foguete, denominado Ghader, tem um alcance de cerca de 200 quilômetros, é projetado para a navegação marítima e é útil para os alvos de zonas litorâneas, além de ser capaz de destruir uma embarcação de guerra.

Também nesta segunda-feira, a Marinha lançou um míssil "Noor" terra-terra que, segundo a Irna, possui sistemas antiradar e de acompanhamento avançados e atingiu com sucesso os alvos estabelecidos, que foram destruídos. Os militares também comemoraram o sucesso do lançamento de um míssil "Nasr", de curto alcance e também de fabricação iraniana.

A Marinha iraniana começou no dia 24 de dezembro as manobras navais Velayat 90, que realiza nas águas do sul do país entre o Estreito de Ormuz e o Oceano Índico. No domingo, os comandantes militares iranianos informaram do lançamento com sucesso de um míssil de alcance médio terra-ar antirradar.

Está previsto que hoje, nessas mesmas manobras, a Marinha de guerra iraniana realize um simulacro de bloqueio do Estreito, segundo anunciou Moussavi. O Irã se encontra no meio de uma polêmica por causa de seu programa nuclear , que parte da comunidade internacional, com os EUA à frente, acredita ter uma vertente militar destinada a fabricar bombas atômicas, o que Teerã nega, ao afirmar que é exclusivamente civil e com objetivos pacíficos.

Essa tensão piorou quando a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou um relatório no qual, pela primeira vez, afirma que o país persa trabalha para obter armas nucleares.

Além de eventuais ataques contra o território de Israel e bases e navios dos EUA na região, o Irã disse que, se sofrer uma agressão, sanção ou se sentir em perigo iminente, fecharia o Estreito de Ormuz , o que poderia representar um desabastecimento de petróleo no mundo de consequências imprevisíveis.

Com EFE

    Leia tudo sobre: irãeuaestreito de ormizmíssilmarinha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG