Segundo comunicado, navio pesqueiro havia sido capturado por piratas no norte do Mar Arábico há cerca de 40 dias

Forças da Marinha americana resgataram nesta quinta-feira um navio pesqueiro de bandeira iraniana que havia sido capturado por piratas no norte do Mar Arábico, informou nesta sexta-feira em comunicado a Quinta Frota dos Estados Unidos, divisão com base no Bahrein.

Leia também:
- Irã anuncia exercícios militares no Estreito de Ormuz
- Para EUA, sanções 'começam a incomodar' Irã
- Irã ameaça agir se porta-aviões dos EUA voltar ao Golfo Pérsico

Foto divulgada pela Marinha americana mostra o destroies USS Kidd no Mar Arábico
AP
Foto divulgada pela Marinha americana mostra o destroies USS Kidd no Mar Arábico

O destróier USS Kidd detectou uma embarcação suspeita junto ao navio pesqueiro iraniano Al Molai, que informou anteriormente que tinha sido sequestrado por piratas. Uma equipe do USS Kidd abordou o pesqueiro e prendeu sem resistência 15 piratas, que tinham tomado a embarcação e rendido a tripulação há cerca de 40 dias.

O barco iraniano estava sendo utilizado como embarcação-tanque para operações de piratas supostamente somalis no Golfo Pérsico, segundo o testemunho da tripulação, composta por 13 pessoas, informou o comunicado.

O fato ocorreu dias depois de tensões crescentes entre o Irã e os Estados Unidos, com Teerã lançando advertências aos americanos quanto à liberdade de navegação no Estreito de Ormuz.

O destróier americano "USS Kid" faz parte do porta-aviões John C. Stennis, que deixou o Golfo Pérsico no dia 29 de dezembro. Cinco dias depois, o chefe das forças armadas iranianas afirmou que a embarcação não poderia mais retornar.

Antes do resgate desta quinta-feira, outro barco iraniano, a motor, havia emitido um pedido de socorro ao suspeitar de um ataque de piratas. Um helicóptero de outro navio da Marinha dos Estados Unidos, que também estava embarcado no porta-aviões "Stennis", o "USS Mobile Bay", respondeu ao chamado, segundo o capitão John Kirby.

Mas os piratas lançaram objetos na água e "subiram no barco e não pudemos deter os piratas porque não havia provas", acrescentou Kirby.

Com EFE e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.