Marinha dos EUA investiga gravação de vídeos sexuais em porta-aviões

Parte dos vídeos gravados durante missões no Iraque e Afeganistão tem expressões homofóbicas

EFE |

A Marinha dos Estados Unidos investiga a gravação de vídeos de conteúdo sexual - alguns com expressões contra os homossexuais-, no porta-aviões Enterprise durante missões nas campanhas do Iraque e Afeganistão, informou neste domingo o jornal "The Virginian Pilot".

Segundo a publicação de Norfolk (Virgínia), onde fica a maior base naval dos EUA no Atlântico e o porto do Enterprise, os vídeos foram exibidos aos quase 6 mil marinheiros e infantes de Marina no porta-aviões durante 2006 e 2007. "O homem que teve a ideia dos vídeos e inclusive atuou neles foi o capitão Owen Honors, que é o atual comandante do porta-aviões", acrescentou a reportagem, que ainda aponta que o conteúdo está repleto de insinuações sexuais e algumas expressões contra os homossexuais.

Uma das cenas descritas pelo jornal mostra duas mulheres da Marinha juntas debaixo de um chuveiro abordo do porta-aviões. As mulheres ensaboam uma a outra e brincam que se estão em duas, podem ficar seis minutos no banho, o dobro do tempo estipulado para cada tripulante. Em outras cenas, alguns marinheiros desfilam vestidos como mulheres e simulam masturbação e insinuam que um dos oficiais esteja tendo relações sexuais com um burro em seu camarote.

Nos vídeos, Honors indica que seu objetivo foi de entreter a tripulação. Os vídeos, segundo o jornal, eram exibidos uma vez por semana pelo circuito fechado de televisão do porta-aviões. Por sua parte, a Marinha emitiu uma declaração explicando que "os vídeos não foram gravados com a intenção de ofender alguém". "O propósito dos vídeos é que fossem humorísticos", acrescentou a Marinha que declarou que vai investigar o assunto.

    Leia tudo sobre: MarinhaEUAvídeoshomofobia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG