Marina Silva diz que ainda avalia se deixará o PT

A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse nesta terça-feira que ainda não decidiu se deixará o PT para se filiar ao PV e, eventualmente, disputar a Presidência da República na eleição de 2010. Estou agora em um momento de profunda reflexão pessoal para decidir se devo ou não sair do Partido dos Trabalhadores.

BBC Brasil |

Estou no PT e não seria nem ético fazer essa discussão com outros partidos antes de ter feito todas as discussões internas com nosso pessoal", disse.

A afirmação foi feita em Nova Lima (MG), onde Marina Silva participou de um evento da Fundação Dom Cabral.

Há cerca de duas semanas circulam informações de que a senadora estaria estudando uma filiação ao Partido Verde (PV) para disputar as próximas eleições presidenciais.

Pesquisas
Marina disse que sua decisão sobre o assunto não será influenciada por pesquisas eleitorais. No primeiro levantamento que inclui o nome de Marina Silva - feito pelo Datafolha e divulgado no último domingo - ela aparece com 3% das intenções de voto.

"Se eu fosse me basear em pesquisas nunca teria sido candidata a nada. Quando começamos o PT lá no Acre nem era 3%, 2%, era traço (virtualmente zero) e veja agora como isso se desenvolveu", afirmou.

Ao chegar ao evento, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, elogiou a ex-ministra.

"Eu tenho amizade com a ministra Marina e um carinho enorme por ela. Acho que ela é um dos símbolos da política do bem, da política correta da preocupação ambiental", disse Neves.

O governador mineiro não foi específico sobre a possível candidatura da senadora, mas deixou claro que os tucanos têm muito interesse no apoio do PV, que já é parte do governo em Minas Gerais.

"Temos aqui em Minas uma aliança muito sólida com o PV, e o PSDB nacional gostaria de ter o PV como seu aliado, possivelmente já num primeiro turno. Mas temos que respeitar o Partido Verde se optar por uma candidatura própria, porque é algo absolutamente legítimo."
"Do ponto de vista eleitoral, certamente a candidatura da senadora levaria a uma preocupação grande no campo do governo, porque ela tem muitas críticas sobre o modo como esta sendo conduzida a política ambiental. Mas ainda é muito cedo para dizer que tipo de impactos isso causaria nessa ou naquela candidatura", disse o governador.

Sustentabilidade
Marina Silva disse que todas as ideologias políticas precisam ser revistas à luz da sustentabilidade para permitir que o desenvolvimento do ser humano e a sobrevivência do planeta Terra.

"A questão da sustentabilidade cria um novo significado para a política porque vai precisar ajuda de todos na sociedade para enfrentar esse desafio civilizatório. A discussão já se coloca em outro patamar porque as pessoas percebem essa verdade", disse a senadora ao responder uma questão sobre o potencial eleitoral no Brasil de temas ligados ao meio ambiente.

"Promover a discussão sobre sustentabilidade é um desafio essencial que a humanidade nunca enfrentou. Reduzir isso a uma questão de conjuntura político eleitoral não ajuda em nada esse processo", disse.

Preservação x Desenvolvimento
Marina Silva observou que a discussão ambiental no Brasil tem de ser diferente daquela feita nos países ricos, que toma como base o "preservacionismo".

"Aqui no Brasil nunca foi o preservacionismo o que orientou nossa discussão ambiental. Na realidade, aqui a questão se coloca como sócio-ambiental, integrando a preservação à necessidade de melhorar a vida das pessoas", afirmou.

A ex-ministra disse que entrou em conversas informais com o PV porque o partido estaria fazendo essa reforma ideológica para adaptar suas bases ambientalistas.

"Os partidos verdes nasceram na Europa com uma visão de natureza em si mesma e só há duas décadas um PV surgiu no Brasil. E agora o Partido Verde (brasileiro) se coloca com intenção de fazer uma revisão programática para chegar às reais necessidades da sociedade brasileira", disse a senadora.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG