Marcha pela Constituição não deixará La Paz até que referendo seja convocado

La Paz, 18 out (EFE).- Os milhares de partidários do presidente Evo Morales que se dirigem a pé pelo Planalto para La Paz com o intuito de exigirem a realização do referendo constitucional anunciaram hoje que não deixarão a capital política da Bolívia até que o Congresso Nacional aprove a lei para convocar esta consulta.

EFE |

O secretário-executivo da Federação de Camponeses, Isaac Ávalos, confirmou à Agência Efe a decisão dos protestantes quando se completa o sexto dia desta marcha, cujos participantes estão a cerca de 80 quilômetros de La Paz.

Os protestantes realizaram hoje, na localidade de Ayo Ayo, um "juramento coletivo" por meio do qual se comprometeram a permanecer em La Paz até que se aprove a lei de convocação do referendo sobre a nova Constituição com o intuito de o presidente Evo Morales desejar voltar a fundar a Bolívia.

Ávalos explicou que, se a sessão do Congresso Nacional prevista para hoje chegar a um acordo sobre a convocação, os protestantes retornarão "a seus povoados com a lei na mão".

Entretanto, "caso não haja acordo ficaremos na cidade de La Paz até ter a lei", declarou o líder camponês.

A grande marcha de 200 quilômetros pelo planalto andino, que começou na última segunda liderada durante alguns quilômetros pelo próprio Morales, conta em seu sexto dia com mais de 50.000 manifestantes, declarou Ávalos, apesar de se esperar que nos últimos dias se unam mais protestantes.

Está previsto que a marcha chegue na próxima segunda a La Paz, onde é provável que a cidade entre em colapso ante a chegada de milhares de manifestantes. EFE lav/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG