Maquiagem de Cleópatra pode ter sido medicinal, diz estudo

A maquiagem pesada usada por egípcios na Antiguidade, como a famosa rainha Cleópatra, pode ter tido uma finalidade medicinal, e não apenas estética, de acordo com um estudo do Centro Nacional para Pesquisa Científica da França (CNRS). Os pesquisadores analisaram amostras de cosméticos encontrados em tumbas egípcias e seguiram receitas antigas contidas em relatos de autores greco-romanos e descobriram que eram usados sais que levavam à produção de óxido nítrico - uma substância que estimula o sistema imunológico para combater infecções oculares.

BBC Brasil |

Os sais incluíam chumbo, que faz mal à saúde, mas os cientistas do CNRS e do Museu do Louvre descobriram que em doses muito baixas ele pode ter um efeito benéfico.

O chefe da equipe de pesquisa, Philippe Walter, disse: "Nós sabíamos que os antigos gregos e romanos também tinham percebido que a maquiagem tinha propriedades medicinais, mas queríamos determinar exatamente como funcionava".

Os pesquisadores usaram um minúsculo eletrodo, mais fino do que um fio de cabelo, para examinar os efeitos do sal de cloreto de chumbo sintetizado pelos egípcios - laurionita - em uma única célula.

Em artigo na revista Analytical Chemistry, os cientistas escreveram: "Ao estimular defesas imunológicas não-específicas, pode-se argumentar que estes compostos de chumbo era manufaturados deliberadamente e usados em fórmulas egípcias antigas para prevenir e tratar de males dos olhos, promovendo a ação das células imunológicas."

Leia mais sobre: Cleópatra

    Leia tudo sobre: egito

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG