Mapas genéticos vão transformar a luta contra o câncer

Por Kate Kelland LONDRES (Reuters) - Cientistas identificaram todas as mudanças nas células de dois tipos fatais de câncer para produzir os primeiros mapas genéticos inteiros de um tumor. Segundo eles, isso marca um momento transformador na compreensão da doença.

Reuters |

Os estudos feitos por uma equipe internacional e pelo Instituto Wellcome Trust Sanger, da Grã-Bretanha, representam as primeiras descrições abrangentes de mutações celulares tumorais, e podem revelar todas as mudanças genéticas por trás do melanoma de pele e do câncer de pulmão.

"O que estamos vendo hoje vai transformar a forma como vemos o câncer", disse a jornalistas em Londres Mike Stratton, do projeto do genoma do câncer do Instituto Sanger. "Nunca vimos o câncer ser revelado dessa forma".

Os cientistas sequenciaram todo o DNA do tecido canceroso e do tecido normal em um paciente com melanoma e de um paciente com câncer de pulmão, usando uma tecnologia chamada sequenciamento paralelo em massa. Comparando as sequências tumorais com as saudáveis, conseguiram localizar todas as mudanças específicas do câncer.

O tumor de pulmão continha mais de 23 mil mutações, e o do melanoma tinha mais de 33 mil.

Peter Campbell, também do Instituto Sanger, disse que o estudo sobre o câncer de pulmão sugere que o fumante desenvolve uma mutação a cada 15 cigarros que consome, e que o dano começa na primeira tragada. O câncer de pulmão mata cerca de 1 milhão de pessoas por ano no mundo, e 90 por cento dos casos são provocados pelo tabagismo.

"Esses catálogos de mutações estão nos dizendo como o câncer se desenvolve - então vão nos informar sobre a prevenção ... e sobre processos que são perturbados na célula cancerosa", disse Stratton.

Mas os cientistas disseram que identificar todas as mutações que causam o câncer exigirá muito mais trabalho, possivelmente ao longo de vários anos, até que surjam novos alvos para o desenvolvimento de medicamentos inéditos.

"Em algum lugar entre as mutações encontramos à espreita aquelas que levam as células a se tornarem cancerosas", disse Andy Futreal, que participou da pesquisa publicada na revista Nature. "Localizá-los será um dos nossos grandes desafios nos próximos anos".

Os cientistas já haviam identificado algumas mutações genéticas ligadas ao câncer - mutações de um gene chamado Braf são encontradas no melanoma, e novas drogas para bloquear essa atividade causadora do câncer estão sendo desenvolvidas. Medicamentos como o Herceptin (Roche) e Iressa (Astra-Zeneca) também atacam células com mutações específicas.

Stratton disse que o objetivo agora é produzir mapas genéticos de todos os tipos de câncer. Há mais de cem tipos de câncer, e cada processo de mapeamento genômico leva vários meses e custa dezenas de milhares de dólares.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG