Mansão em que Bin Laden se escondia será derrubada, diz jornal

Segundo jornal paquistanês The News, esconderijo na cidade de Abbottabad será destruído para evitar que se torne local sagrado para jihadistas

iG São Paulo |

A mansão na cidade paquistanesa de Abbottabad onde se escondia e acabou morto na segunda-feira por forças dos Estados Unidos o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden , será derrubada, informou nesta sexta-feira uma fonte da segurança paquistanesa.

"Derrubaremos esse prédio da mesma forma que fizemos no passado (com outros), para evitar que se transforme em um local sagrado para os jihadistas", disse a fonte citada pelo jornal paquistanês The News.

Após a operação militar realizada pelos EUA contra Bin Laden, a residência foi confiscada pelo Exército do Paquistão. O comando paquistanês não permitiu, por enquanto, o acesso da imprensa à casa, só a seu exterior.

O complexo onde vivia Bin Laden foi construído em 2005, conta com três andares, é cercado por muros e rodeado por campos de cultivo. O local havia sido avaliado inicialmente pelos EUA em torno de US$ 1 milhão, embora diversas fontes tinham posto em dúvida essa cotação.

No local não havia telefone nem acesso à internet, e os moradores eram tão preocupados com a segurança que queimavam o lixo e não o colocavam para coleta na rua como os seus vizinhos.

Em depoimentos ao jornal americano The New York Times, moradores da região se mostraram surpresos com a notícia de que a vizinhança escondia o terrorista mais procurado do mundo. Jibran Khan, 23 anos, disse pensar que a casa era de alguma pessoa rica. "Um amigo me disse que uns homens altos e barbudos moravam ali após terem deixado Peshawar por causa de alguma briga", afirmou.

Desde a morte do líder da Al-Qaeda foram registrados poucos protestos no Paquistão, que reuniram centenas de pessoas. As autoridades aumentaram a segurança por causa do medo de atentados ou distúrbios.

Confirmação

A rede terrorista Al-Qaeda confirmou nesta sexta-feira a morte de seu líder Osama bin Laden e fez um alerta de retaliação, dizendo que a "felicidade dos americanos se transformará em tristeza". A declaração diz que o sangue de Bin Laden "não será desperdiçado", afirmando que a organização manterá seus ataques contra os americanos e aliados.

O comunicado também afirma que uma mensagem em áudio de Bin Laden gravada uma semana antes de sua morte será divulgada em breve. "O xeque (Bin Laden) se negou a deixar este mundo antes de dividir com a nação islâmica o prazer causado pelas revoltas (no mundo árabe ) ante a injustiça e os injustos", afirma a Al-Qaeda. "Ele registrou nesse sentido uma mensagem de áudio uma semana antes de sua morte, dando felicitações e conselhos, e nós a divulgaremos em breve", diz o comunicado.

A confirmação foi feita em uma declaração online divulgada em sites militantes, sob a assinatura da "liderança geral" da Al-Qaeda. O anúncio abre caminho para o grupo nomear o sucessor de Bin Laden. Seu vice, Ayman al-Zawahri , é agora a figura mais importante no grupo e é um concorrente muito provável para assumir o seu posto.

A declaração, com data de 3 de maio, foi a primeira da organização desde a morte de Bin Laden por comandos americanos no domingo, durante uma ação contra a casa onde ele se escondia em Abbottabad, Paquistão. A autenticidade do documento não pôde ser confirmado de forma independente, mas foi divulgado em sites nos quais o grupo tradicionalmente coloca suas mensagens.

"Afirmamos que o sangue do xeque guerreiro sagrado, Osama bin Laden, que Deus o abençoe, é precioso para nós e para todos os muçulmanos e não correrá em vão", diz o comunicado. "Continuaremos, se Deus quiser, no curso de perseguir os americanos e seus agentes dentro e fora de seus países."

"Em breve, se Deus quiser, sua felicidade se tornará tristeza", diz a declaração, "seu sangue será misturado com suas lágrimas". Em seu comunicado, a Al-Qaeda conclamou a população do Paquistão - "onde o xeque Osama foi morto" - a se levantar em revolta contra seus líderes.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: bin ladeneuaterrorismoafeganistãopaquistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG