Manifestantes pró e contra mesquita invadem ruas de Nova York

Projeto de construir centro cultural islâmico a dois quarteirões de local de ataques do 11 de Setembro causa polêmica no país

iG São Paulo |

Centenas de defensores e oponentes dos planos de construir uma mesquita a dois quarteirões do Marco Zero , onde ficavam as Torres Gêmeas do World Trade Center (WTC), em Nova York, atingidas pelos ataques do 11 de Setembro, realizaram manifestações pacíficas neste domingo nas proximidadas do local. O 11 de Setembro de 2001 deixou quase 3 mil mortos em ataques lançados com aviões em Nova York, Washington e Pensilvânia .

Os manifestantes se reuniram sob uma fina chuva no meio da manhã, sem ocorrência de distúrbios entre os dois lados. "Não deixe o Islã sair vitorioso com uma mesquita", dizia uma faixa estendida a dois quarteirões do Marco Zero.

Do outro lado, uma pequena multidão do mesmo tamanho pedia tolerância, com cartazes defendendo a liberdade de religião e aceitação de todas as fés. Seus cartazes diziam "Abaixo o egoísmo religioso" e "Não à islamofobia!".

Em 13 de agosto, o presidente dos EUA, Barack Obama, desatou uma polêmica ao defender a construção da mesquita e de um centro islâmico em um prédio privado perto do WTC. “O compromentimento dos Estados Unidos com a liberdade de religião é inabalável”, afirmou. “Como cidadão e como presidente, acredito que os muçulmanos têm o mesmo direito de praticar sua religião como qualquer um neste país.”

Muitos familiares de vítimas dos ataques criticaram as declarações . "O presidente declarou obsoletos nossas memórias do 11 de Setembro e o caráter sagrado do Marco Zero", criticou a organização "Famílias do 11/9 para uma América Forte e Segura".

Quatro dias depois de suas declarações iniciais sobre o assunto, Obama afirmou que não se arrependia de ter aprovado o projeto. O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, também manifestou seu apoio ao plano. Ele afirmou que a mesquita é uma forma de provar que nos EUA prevalece a tolerância religiosa.

Pesquisas de opinião, porém, indicam que a maioria dos nova-iorquinos se opõe à ideia. Segundo levantamento da TV americana CNN, divulgado na semana retrasada, 68% dos entrevistados são contrários à iniciativa e 29% a favor.

No início do mês, a última barreira legal para a construção da mesquita foi revogada . Em 3 de agosto, a Comissão de Preservação de Monumentos Históricos de Nova York votou por unanimidade contra o tombamento do edifício. Na prática, a decisão autoriza sua demolição para a construção do centro islâmico.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: al-qaeda11 de Setembroeuaobamamesquitanova york

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG