Manifestantes fazem protesto antinuclear contra Angela Merkel

Segundo organizadores, protesto que pede fim das usinas alemãs até 2021 reuniu 100 mil ao redor do escritório da chanceler

Reuters |

Milhares de alemães cercaram o escritório da chanceler Angela Merkel neste sábado, em protesto antinuclear que organizadores disseram ser o maior do tipo desde o desastre de Chernobyl, em 1986.

A manifestação, que, segundo organizadores reuniu 100 mil pessoas, poderia ajudar a mobilizar a crescente oposição à coalizão de centro direita de Merkel, que tem sofrido queda de popularidade desde que tomou o poder em outubro.

AFP
Manifestantes pediram fechamento de usinas nucleares alemãs até 2021
Durante uma marcha pacífica ao redor da sede do governo alemão, em Berlim, os manifestantes se concentraram na chancelaria de Merkel e pediram a interrupção de seus planos impopulares de estender a vida últil das usinas nucleares da Alemanha em média por 12 anos.

Segurando cartazes com slogans como "abaixo o governo agora", manifestantes caminharam sob chuva para exigir que Merkel volte atrás e mantenha o compromisso feito por seu antecessor Gerhard Schroeder de fechar as usinas nucleares alemãs até 2021.

"Não havia uma demonstração (antinuclear) tão grande em um local desde 1986", disse Jochen Stay, um dos principais organizadores do protesto. "Deixamos muito claro hoje que uma ampla maioria da população é contra esse culto nuclear", acrescentou.

Explosão em reator

O sentimento antinuclear ganhou força na Alemanha após a explosão de um reator na Ucrânia em abril de 1986 na planta de Chernobyl, no pior desastre nuclear do mundo. O acidente ocupava a mente de muitos dos manifestantes em Berlim.

"Minha filha nasceu naquele outono e sofreu sérias deficiências como resultado", disse Karin Sager, manifestante de 52 anos da região de Nordheide, oeste da Alemanha. "Ela é quase cega e tem muitos problemas de coluna", afirmou ao lado de sua filha de 23 anos. "A mensagem que Merkel tem de dar é: parem isso agora".

    Leia tudo sobre: angela merkelalemanhausina nuclearenergiaprotestos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG