Tamanho do texto

Por Carlos Alberto Quiroga LA PAZ (Reuters) - Grandes manifestações para a unidade nacional em cidades ocidentais da Bolívia no domingo marcaram a tensa realização do referendo sobre a autonomia do distrito de Santa Cruz, em um confronto que parece aprofundar as diferenças do país.

Manifestantes na cidade central de Cochabamba e de El Alto repudiaram a intenção separatista com apelos ao presidente Evo Morales e ao Congresso Nacional que reabram o processo para a aprovação de uma nova Constituição.

Os referendos e as manifestações por unidade, realizados simultaneamente, serviram como uma outra medição de forças entre setores conservadores, que se mobilizaram em torno do projeto de autonomia de Santa Cruz, o motor econômico do país, e os movimentos sociais que apóiam Morales.

'O estatuto não passará e estamos aqui para dizer que não toleraremos nenhum ato oligárquico que ameace a unidade nacional', disse o dirigente sindical Oscar Oliveira, em um discurso transmitido por cadeias de televisão.

'Cochabamba disse à Bolívia e ao presidente Morales que continue e aprofunde o processo de transformação. O prefeito (de Cochabamba) Manfred Reyes Vila deve renunciar por ter apoiado os separatistas', acrescentou.

A imprensa local estimou que quase meio milhão de pessoas participaram da marcha em Cochabamba e que pelo menos 200 mil pessoas participaram da manifestação em El Alto. Houve protestos em outras cidades.

Os manifestantes de El Alto pediram a expulsão dos prefeitos de quatro distritos que buscam autonomia e exigiram a expulsão do embaixador dos Estados Unidos, Philip Goldberg, chamado de 'instigador do separatismo'.

'Se querem formar outra Bolívia, que a formem, mais fora do nosso território nacional', disse Luis Huanca, responsável pela leitura das resoluções da manifestação.

Após os protestos em El Alto, um grupo de manifestantes atacou a sede de um canal de televisão, de propriedade do prefeito de oposição José Luis Paredes, segundo relataram as rádios.

A polícia dispersou os manifestantes que, segundo testemunhas, também atacaram um veículo com repórteres de outro canal de televisão.

(Com reportagem de Ana María Fabbri)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.