Manifestação termina em confronto na Tailândia; ao menos 68 pessoas ficam feridas

BANGCOC - Pelo menos 68 pessoas ficaram feridas em Bangcoc, na Tailândia, durante um confronto entre o Exército e centenas de manifestantes que bloqueavam um cruzamento do centro da cidade, que está sob estado de emergência.

Redação com agências internacionais |


AP
Soldado tailandês passa por fogo ateado por manifestantes

Soldado tailandês passa por fogo ateado por manifestantes

O confronto aconteceu na noite deste domingo (horário de Brasília, madrugada de segunda-feira na Tailândia), quando o Exército usou bombas de gás lacrimogênio e deram tiros para o alto na tentativa de dispersar o protesto.

"Mais de 400 soldados estão envolvidos na operação", declarou o porta-voz militar, coronel Sunsern Kaewkumnerd. "Começamos com medidas leves e, depois, passaremos para as mais duras. Evitaremos sacrificar vidas humanas, tal como o governo ordenou."

No embate, pelo menos 68 pessoas ficaram feridas, e duas delas se encontravam "em estado crítico", de acordo com os serviços de socorro. Um médico que pediu para não ser identificado disse que dois manifestantes tinham ferimentos a bala.

"Confirmo que, até o momento presente, não houve mortos", declarou à AFP o responsável pelos serviços médicos nacionais de Urgências, Chatree Charoencheewakul.

Crise política

No sábado, milhares de manifestantes provocaram o cancelamento de uma cúpula asiática ao invadir o hotel do balneário de Pattaya, onde acontecia a reunião, obrigando os convidados a fugir de helicóptero.

A tensão aumentou neste domingo com a detenção do líder dos manifestantes de Patttaya, o ex-cantor de pop Arisman Pongreungrong.

Assim que a notícia da detenção de Pongreungrong foi revelada, as ruas de Bangcoc foram tomadas por milhares de seus simpatizantes, que exigiram sua libertação imediata.

O primeiro-ministro, Abhisit Vejjajiva, decretou, então, o estado de emergência na capital e em sua região. A medida dá mais poderes às forças da ordem, e proíbe as reuniões de mais de cinco pessoas. Abhisit ameaçou em seguida recorrer à força contra os manifestantes.

Esta é a terceira vez em menos de oito meses que as autoridades decretam o estado de emergência na região de Bangcoc, devido à interminável crise política que assola o país.

O ex-primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra, 59 anos, foi derrubado por generais fiéis ao rei em 2006 e fugiu do país para evitar uma condenação e diversas investigações por atos de corrupção. O polêmico empresário continua muito popular em seu país.

Abhisit Vejjajiva, 44 anos, se tornou primeiro-ministro no dia 15 de dezembro por meio de uma derrubada de aliança parlamentar consecutiva a gigantescas manifestações de partidários do rei, que incluíram uma ocupação de oito dias dos dois aeroportos de Bangcoc.

* Com AP, EFE e AFP


Leia mais sobre protestos

    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG