BANGCOC - Pelo menos 68 pessoas ficaram feridas em Bangcoc, na Tailândia, durante um confronto entre o Exército e centenas de manifestantes que bloqueavam um cruzamento do centro da cidade, que está sob estado de emergência.


AP
Soldado tailandês passa por fogo ateado por manifestantes

Soldado tailandês passa por fogo ateado por manifestantes

O confronto aconteceu na noite deste domingo (horário de Brasília, madrugada de segunda-feira na Tailândia), quando o Exército usou bombas de gás lacrimogênio e deram tiros para o alto na tentativa de dispersar o protesto.

"Mais de 400 soldados estão envolvidos na operação", declarou o porta-voz militar, coronel Sunsern Kaewkumnerd. "Começamos com medidas leves e, depois, passaremos para as mais duras. Evitaremos sacrificar vidas humanas, tal como o governo ordenou."

No embate, pelo menos 68 pessoas ficaram feridas, e duas delas se encontravam "em estado crítico", de acordo com os serviços de socorro. Um médico que pediu para não ser identificado disse que dois manifestantes tinham ferimentos a bala.

"Confirmo que, até o momento presente, não houve mortos", declarou à AFP o responsável pelos serviços médicos nacionais de Urgências, Chatree Charoencheewakul.

Crise política

No sábado, milhares de manifestantes provocaram o cancelamento de uma cúpula asiática ao invadir o hotel do balneário de Pattaya, onde acontecia a reunião, obrigando os convidados a fugir de helicóptero.

A tensão aumentou neste domingo com a detenção do líder dos manifestantes de Patttaya, o ex-cantor de pop Arisman Pongreungrong.

Assim que a notícia da detenção de Pongreungrong foi revelada, as ruas de Bangcoc foram tomadas por milhares de seus simpatizantes, que exigiram sua libertação imediata.

O primeiro-ministro, Abhisit Vejjajiva, decretou, então, o estado de emergência na capital e em sua região. A medida dá mais poderes às forças da ordem, e proíbe as reuniões de mais de cinco pessoas. Abhisit ameaçou em seguida recorrer à força contra os manifestantes.

Esta é a terceira vez em menos de oito meses que as autoridades decretam o estado de emergência na região de Bangcoc, devido à interminável crise política que assola o país.

O ex-primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra, 59 anos, foi derrubado por generais fiéis ao rei em 2006 e fugiu do país para evitar uma condenação e diversas investigações por atos de corrupção. O polêmico empresário continua muito popular em seu país.

Abhisit Vejjajiva, 44 anos, se tornou primeiro-ministro no dia 15 de dezembro por meio de uma derrubada de aliança parlamentar consecutiva a gigantescas manifestações de partidários do rei, que incluíram uma ocupação de oito dias dos dois aeroportos de Bangcoc.

* Com AP, EFE e AFP


Leia mais sobre protestos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.