Manifestação de apoio a Karadzic termina com 46 feridos

Pelo menos 46 pessoas ficaram feridas nesta terça-feira durante uma manifestação de apoio a Radovan Karadzic realizada no centro de Belgrado, que degenerou quando centenas de jovens entraram em confronto com a polícia, informaram fontes médicas.

AFP |

O doutor Goran Vukovic, citado pela agência de notícias Beta, disse que 25 policiais e 21 manifestantes "foram atendidos" nos centros de urgência, e que um agente e um manifestante permaneceram hospitalizados.

Os incidentes começaram quando jovens manifestantes, alguns mascarados, atiraram projéteis contra as forças da ordem.

A polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e disparos com balas de borracha.

A manifestação de apoio a Karadzic e contra "o regime traidor e ditatorial" do presidente Boris Tadic, organizada pela oposição nacionalista sérvia, reuniu mais de 15.000 pessoas no centro de Belgrado, segundo a polícia.

Os manifestantes protestaram contra a prisão e o traslado para o Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia do ex-líder político servo-bósnio, além de criticarem o presidente pró-europeu Boris Tadic, por ter ordenado a detenção de Karadzic.

A concentração começou por volta das 19h (15h de Brasília), na praça da República, no centro da capital sérvia.

Importantes efetivos das forças de segurança foram enviados ao local, e várias embaixadas da região, principalmente de Estados Unidos e Croácia, ficaram sob proteção especial, assim como a sede da televisão sérvia.

"Vamos matar todos", dizia um cartaz, enquanto em outro podia-se ler "Boris Tadic, a Sérvia prepara seu enterro, você está acabado".

O protesto foi organizado pelo Partido Radical Sérvio, com o apoio do ex-premier nacionalista Vojislav Kostunica. O irmão de Karadzic, Luka, também participou.

"Obrigado por terem vindo tão numerosos para mostrar que a Sérvia não está morta", gritou um dos dirigentes dos radicais sérvios, Aleksandar Vucic.

Antes do protesto, primeira demonstração de força contra a prisão de Karadzic, Vucic havia declarado à imprensa que "o protesto é contra o regime traidor e ditatorial" de Tadic.

Em entrevista à rádio B92, o presidente Boris Tadic comentou que "é incrível que as pessoas protestem contra o respeito da lei".

"Todo mundo tem direito de protestar, mas a lei tem de ser respeitada. Eu apóio o direito de se manifestarem, mas tem de haver ordem", acrescentou.

Essa foi a maior manifestação realizada em Belgrado desde fevereiro, quando cerca de 150.000 pessoas protestaram contra a declaração de independência de Kosovo em relação à Sérvia.

Karadzic resiste a ser transferido para Haia, onde é acusado de ter desempenhado um papel crucial no cerco a Sarajevo e o massacre de 8.000 muçulmanos em Srebrenica, a maior atrocidade desse tipo cometida na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Karadzic, um psiquiatra de 63 anos, foi preso em 21 de julho passado, quando viajava em um ônibus por Belgrado, após ficar foragido por mais de uma década, fazendo-se passar pelo doutor Dragan Dabic, um especialista em medicina alternativa.

Desapareceu da vida pública em 1996, pouco depois que o TPI lançou uma ordem de prisão contra ele. Enquanto esteve foragido, mudou totalmente a aparência, apresentando-se como o dr. Dabic. Deixou crescer o cabelo e a barba, que embranqueceram, usava grandes óculos e um chapéu branco do tipo Panamá, dando a impressão de ser uma espécie de guru.

dv/tt/cn/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG