Maliki condena assassinato de representante de Moqtada al-Sadr em Najaf

Bagdá, 11 abr (EFE).- O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, condenou hoje como uma ação brutal o assassinato do representante do clérigo xiita Moqtada al-Sadr em Najaf, Riad al-Nouri, após o qual foi imposto o toque de recolher na cidade.

EFE |

Segundo um comunicado divulgado pelo escritório de Maliki, o crime é "uma tentativa de eliminar as personalidades religiosas e nacionais e de incitar a revolta" entre as várias facções iraquianas.

Maliki anunciou que ordenou a investigação do assassinato de Nouri, que foi baleado por desconhecidos quando voltava para sua casa em Najaf após a oração de sexta-feira.

Um porta-voz de Sadr, Haider Nateq, acusou o Governo de Maliki de estar por trás do assassinato pouco após o atentado.

Já o clérigo instou seus seguidores a manterem a calma e ordenou uma investigação particular do episódio, segundo fontes de seu escritório em Najaf.

Sadr também pediu a seus delegados que preparem seus escritórios para receberem as condolências em Bagdá, Najaf e nas cidades de Qom (Irã) e Damasco (Síria).

Enquanto isto foi mantido o toque de recolher decretado imediatamente após o anúncio do assassinato pelas autoridades locais de Najaf para evitar a explosão de conflitos entre seguidores de Sadr e milicianos de outras tendências. EFE ah/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG